Galáxia a 13 bi de anos-luz é a mais antiga

Paula Rothman, de INFO Online Quinta-feira, 21 de outubro de 2010 – 13h41

NASA, ESA, G. Illingworth (UCO/Lick Observatory and University of California, Santa Cruz) and the HUDF09 Team

Galáxia a 13 bi de anoz-luz é a mais antiga

A localização da galáxia na imagem do Hubble

SÃO PAULO – Uma equipe européia de astrônomos descobriu que um brilho distante fotografado pelo telescópio Hubble era, na verdade, a galáxia mais distante já registrada.

Usando o Very Large Telescope, do European Southern Observatory, a equipe liderada pelo francês Matt Lehnert calculou que a UDFy-38135539 está a 13,1 bilhões de anos-luz da Terra e é o objeto mais distante já identificado no universo.

Leia também:

Isso significa que, ao olhar para a imagem da galáxia, estamos visualizando a luz de quando o universo possuía apenas 600 milhões de anos – já que o Big Bang ocorreu a cerca de 14 bilhões de anos.

Essas são as primeiras observações confirmadas de uma galáxia cuja luz passa pela neblina opaca de hidrogênio do Universo primitivo. Quando o Universo esfriou após o Big Bang (a cerca de 14 bilhões de anos), os elétrons e prótons se combinaram para formar o gás hidrogênio. Esse gás frio e escuro era o principal elemento do cosmos nessa chamada Era Escura, na qual não existiam objetos luminosos. Essa fase eventualmente chegou ao fim quando as primeiras estrelas se formaram e sua intensa radiação ultravioleta gradualmente separou os átomos do hidrogênio de novo, fazendo a neblina se tornar transparente. Essa época da história do universo primitivo durou entre 150 milhões e 800 milhões de anos depois do Big Bang.

Estudar essas primeiras galáxias é muito difícil. Quando sua luz inicial chega à Terra, além de muito fraca, ela está em sua maioria no espectro infravermelho – uma vez que seu comprimento foi esticado pela expansão do Universo.

Apesar desses desafios, a Wide Field Câmera 3 a bordo do Hubble descobriu muitos objetos em 2009 que se acreditava serem galáxias desse período. Confirmar a idade delas, no entanto, exigiu 16 horas de observação de dois meses de análises e testes.

O fato tem grandes implicações astrofísicas. Esta é a primeira vez que se sabe, com certeza, que estamos olhando para uma das galáxias que “limparam” o Universo de sua neblina de hidrogênio. E, como o brilho da UDFy-38135539 não parece ser forte o suficiente, acredita-se que existam outras companheira a espera de serem descobertas.

Os resultados saíram hoje na Nature.

Anúncios

Publicado em 22/10/2010, em Ciência e tecnologia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: