As 10 descobertas científicas da década

Paula Rothman, de INFO Online Segunda-feira, 20 de dezembro de 2010 – 16h20

Getty Images

As 10 descobertas científicas da década

SÃO PAULO – Em uma edição especial, a revista Science selecionou as 10 principais descobertas científicas da década.

Confira abaixo a seleção, mas lembre-se: como a própria revista diz, “a lista cobre apenas uma pequena fração dos avanços científicos da década e, claro, muitos outros poderiam ter preenchido as páginas”.

Cosmologia

A última década trouxe avanços importantíssimos no que se refere à “receita” do Universo, e como ele se formou. Foram tantos avanços que a cosmologia ganhou uma teoria sólida que prevê que nosso universo é composto de apenas 4,56% de matéria comum, 22,7% de matéria escura e 72,8% de energia escura. 

DNA antigo

O mundo pré-histórico pode ser melhor estudado com a descoberta de que moléculas como o DNA e o colágeno podem sobreviver por dezenas de milhares de anos, dando importantes informações sobre plantas, animais e humanos há muito mortos. Graças a novas tecnologias de análise, este ano, cientistas do Max Planck Institute of Evolutionary Anthropology em Leipzig, Alemanha, publicaram o genoma de um Neandertal com 10 milhões de vezes mais DNA do que havia sido possível sequenciar em 1997. Em 2005, duas equipes seqüenciaram 27 mil bases do DNA de um urso antigo das cavernas. Outra equipe seqüenciou 28 milhões de bases de um mamute e, com isso, descobriu que eles se diferenciaram dos elefantes africanos há cerca de 6 milhões de anos. Em 2008, a mesma equipe seqüenciou um mamute inteiro.

Água em marte

Em 2004, a sonda Opportunity, da Nasa, descobriu sinais de antigos oceanos ou lagos em Marte.  Em 2010, mais evidências da presença passada e presente de água no planeta vermelho foram apresentadas.

Reprogramação celular

Na última década, pesquisadores descobriram como “reprogramar” células adultas, já desenvolvidas no que são as chamadas “células pluripotentes” que conseguem se transformar de novo em qualquer tipo de célula do corpo. A técnica já foi usada para fazer células de pacientes com doenças raras mas o objetivo principal é conseguir criar células, tecidos e órgãos para transplantes.

Microbioma humano

Na última década, mudou a maneira como enxergamos os micróbios e vírus do nosso corpo. Cada vez mais, eles fazem parte da gente. Nove de cada 10 células do corpo são de micróbios. No sistema digestivo, mais de mil espécies possuem 100 vezes mais DNA do que nosso próprio corpo. Juntos, eles são chamados de “microbioma humano”. Na última década, os cientistas começaram a entender como seus genes afetam a maneira que absorvemos energia dos alimentos e como eles ajudam o sistema imunológico.

Exoplanetas

Qualquer planeta orbitando uma estrela que não o nosso sol é chamado de exoplaneta. Na última década, foram centenas encontrados: já são mais de 500 confirmados e, apenas o telescópio Kepler, da Nasa, possui uma lista de outros 700 possíveis.

Inflamações

As inflamações ganharam uma importância extrema. Descobriu-se que elas são a força por trás doenças crônicas que irão matar muitos de nós. Câncer, diabetes e obesidade, Alzheimer….

Metamateriais

Ao criar materiais com propriedades ópticas não convencionais, físicos conseguiram novas maneiras de manipular a luz, criando lentes que criam a ilusão de, por exemplo, invisibilidade.

Mudanças climáticas

Há mais de 40 anos, pesquisadores se fazem 3 grandes perguntas: O mundo está aquecendo? Se sim, é culpa dos humanos? E seria a natureza capaz de superá-lo? Segundo a Science, nos últimos anos os cientistas passaram a concordar nas respostas: sim, sim e não. Os efeitos do aumento da emissão dos gases causadores do efeito estufa nos mares e geleiras foram mais rápidos do que o esperado.

O Genoma “escuro”

Parecia óbvio: o DNA diz ao corpo como produzir proteínas. As instruções estavam na forma de genes, e o RNA servia como mensageiro, carregando as ordens para as fábricas de proteínas das células e as traduzindo em ação. Entre os genes há pedaços de “DNA lixo”, incoerente, inútil e inerte. Mas isso mudou. Na verdade, a regulação dos genes se mostrou extremamente complexa e pode ter sua resposta nesse chamado “lixo”. Outra descoberta importante é que fatores químicos podem influenciar o genoma por gerações, sem necessariamente mudar a seqüência do DNA. 

Anúncios

Publicado em 21/12/2010, em Ciência e tecnologia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: