Vida saiu do mar há 1 bilhão de anos,diz estudo

Paula Rothman, de INFO OnlineSexta-feira, 15 de abril de 2011 – 10h42

 

Vida saiu do mar há 1 bilhão de anos,diz estudo

Um dos fósseis encontrados no lago: vida saiu do mar antes do que se pensava

SÃO PAULO – A descoberta de novos fósseis na Escócia adianta em 500 milhões de anos a saída da vida do mar e pode mudar a origem de importantes características celulares – como a possibilidade de fazer fotossíntese e de realizar reprodução sexuada.

Uma equipe formada pelas Universidades de Oxford, Sheffield e Boston encontrou restos muito bem preservados de organismos que viveram em lagos há mais de um bilhão de anos. Os achados ao redor do Lago Torridon e suas implicações foram publicados na Nature, uma das mais conceituadas revistas científicas do mundo.

A importância desses novos fósseis é muito grande. Eles ajudam a esclarecer um momento-chave na história da evolução, um verdadeiro salto: quando a vida passou de simples células bacterianas procariotas a células maiores e mais complexas, eucariotas. Foi essa mudança que tornou a fotossíntese e a reprodução sexuada possíveis.

Os fósseis encontrados sugerem que, há 1 bilhão de anos, a vida fora do mar era mais abundante e complexa do que se pensava. O material preservado tem a aparência de células eucariotas não-marinhas, porém nenhum fóssil havia sido encontrado em rochas não-marinhas antes de 450 milhões de anos atrás. Portanto, a descoberta estende a existência da vida fora do mar em 500 milhões de anos.

As células que viveram no antigo lago escocês são diferentes de suas ancestrais bactérias porque possuem estruturas especializadas, incluindo núcleo, mitocôndrias e cloroplastos – estes, vitais para a fotossíntese. Elas também fazem reprodução sexuada, o que permite taxas muito mais rápidas de mudanças evolutivas.

Vida salgada

A teoria mais aceita para o surgimento da vida é a de que ela começou no oceano. Até hoje, acreditava-se que o desenvolvimento inicial da maior parte das características importantes da célula teria se dado no ambiente marinho: a origem dos procariotos, dos eucariotos, do sexo, dos organismos pluricelulares… Durante todo esse tempo, o continente é considerado um local sem vida ou, no máximo, com micróbios relativamente insignificantes chamados cianobactérias.

A descoberta mostra que a mudança evolutiva em direção a células de algas mais complexas, vivendo em lagos na terra, começou há mais de um bilhão de anos – muito antes do que se pensava. A descoberta também abre a possibilidade de que alguns dos grandes eventos dessa história primitiva tenham se passado fora do mar. As condições dos antigos lagos podem ter favorecido, por exemplo, um passo vital nessa transformação: a incorporação de bactérias simbióticas nas células para formarem cloroplastos.

Foi a partir das células eucariotas complexas, como os fósseis encontrados, que algas e plantas puderam colonizar o ambiente não-marinho. O resto é história: 500 milhões de anos após o aparecimento dessas células complexas, a superfície do planeta começou a ser coberta por uma simples vegetação, como liquens, e os primeiros animais puderam se aventurar fora do mar – eventualmente, dando origem aos seres humanos.

Anúncios

Publicado em 16/04/2011, em Atualidades. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: