Postagem de referência para os alunos 1ºF–ETEC Júlio de Mesquita.

8 elementos químicos incríveis da tabela periódica

Redação Super 15 de maio de 2014

Por Mariana Cepeda

1789 foi o ano em que o químico Antoine Lavoisier ensaiou a primeira formação de uma tabela com 33 elementos químicos conhecidos, dividindo-a em categorias. A partir daí, a famosa tabela periódica só foi ficando mais sofisticada, organizada e maior. Atualmente, os 118 elementos químicos são sistematicamente ordenados de acordo com seus números atômicos, camadas eletrônicas, número de elétrons na camada de valência (camada mais externa) e propriedades físicas. Bom, entre os metais, semimetais, não metais e novos elementos que nem puderam ser bem classificados ainda, destacam-se alguns casos muito interessantes. Alguns deles pudemos estudar um pouco nas aulas de química, outros são tão recentes que só os mais novos puderam ver em seus livros escolares. Conheça os 8 elementos químicos mais bizarros da tabela periódica:

1-    Hidrogênio

tabela-periodica
O elemento mais abundante do universo – compõe 75% de sua matéria – é o átomo mais simples existente, com número atômico 1 e massa atômica de aproximadamente 1,00 U. Apesar de sua abundância, o hidrogênio em seu estado natural é muito raro na atmosfera da Terra, por causa de sua baixa densidade (a menor entre todos os elementos conhecidos), a qual permite que ele facilmente escape do campo gravitacional do planeta.

Nas condições normais de temperatura e pressão da Terra, este elemento existe como gás diatômico, o H2, e na forma de compostos químicos como hidrocarbonetos e água. O hidrogênio não se enquadra perfeitamente em nenhum grupo da tabela periódica e seu isótopo de maior ocorrência é formado por um único próton, um elétron orbitando à sua volta e nenhum nêutron. O mais incrível em relação a este elemento talvez seja sua importância para a formação das estrelas e como principal combustível no ciclo de fusão nuclear das mesmas, sendo, portanto, primordial na fabricação de outros elementos, a começar pelo Hélio.

2-    Hélio

Helium-glow

Depois do hidrogênio, o hélio é o elemento de maior presença no universo e também na composição do Sol, constituindo 23,8% desse último (o hidrogênio representa 74,9%). O hélio é um gás nobre, ou seja, não reage com outros elementos, e tem o menor ponto de evaporação da tabela periódica. Esse gás só se torna líquido em condições extremas, de alta pressão e baixa temperatura, e também tem o ponto de solidificação mais baixo de todos os elementos químicos, sendo o único líquido que não se solidifica apenas com a diminuição de temperatura.

3-    Mercúrio

Pouring_liquid_mercury_bionerd

O mercúrio é um dos poucos elementos que são encontrados em estado líquido à temperatura ambiente. Entre estes outros – césio, gálio, frâncio, rubídio e bromo -, apenas o bromo, além do mercúrio, são líquidos em condições normais de temperatura e pressão. Este elemento é um metal líquido prateado e inodoro, de alta densidade – tão alta que é possível fazer uma moeda boiar em sua superfície! O mercúrio é tóxico para os seres vivos e tem a capacidade de dissolver ouro, prata, metais alcalinos e até chumbo.

4-    Irídio

Iridium_crystals

O irídio é conhecido também por sua alta densidade, mas, por sua vez, é um metal sólido em temperatura e pressão padrões. Não só este elemento tem a maior densidade da tabela periódica, como também é o metal mais resistente à corrosão. Por causa disso, é muito usado em ligas de alta resistência que precisam suportar altas temperaturas.

5-    Tungstênio

Tungsten

Outro metal muito utilizado em objetos que precisam ser sujeitos a altas temperaturas é o Tungstênio, o elemento com o maior ponto de fusão (3422°C!) entre todos os metais e o segundo maior de toda a tabela periódica (o primeiro é o carbono). Tem também a menor pressão de vapor e requer temperaturas próximas da temperatura da superfície solar para tornar-se gasoso, ou seja, cerca de 5000 °C!

6-    Carbono

Diamond_and_graphite_without_structures

Um mesmo elemento químico pode dar origem a substâncias simples diferentes, a partir de distintas modificações estruturais, em que os átomos do elemento estão ligados entre si de maneiras diferentes. Essas formas distintas de um elemento são chamadas de formas alotrópicas. No caso do carbono, tais alótropos variam tanto que ele é capaz de ser o grafite ou o diamante! Além disso, o carbono é a base para a vida, faz parte de todos os seres vivos e de cerca de 10 milhões de compostos orgânicos.

7-    Urânio

Depleted_uranium_(238)
O urânio é o último elemento químico natural da tabela periódica e o primeiro em que se descobriu a radioatividade. Seu átomo é composto por 92 prótons, 92 elétrons e de 135 a 148 nêutrons e tem o núcleo mais pesado a existir naturalmente no planeta. Seus isótopos têm uma meia-vida (intervalo de tempo em que uma amostra de um elemento radioativo se reduz à metade) muito longa, entre 700 milhões e 4,5 bilhões de anos. Pode ser encontrado em abundância na crosta terrestre, na forma de minerais, e é utilizado principalmente para a produção de energia, em usinas de energia nuclear. Com uma completa fissão nuclear, 1kg de urânio geraria 8×1013  Joules, uma quantidade de energia que necessitaria de 3 mil toneladas de carvão!

8-    Ununóctio

ununoctium

O mais interessante deste elemento é que pouquíssimo se sabe sobre ele. O ununóctio faz parte dos novos elementos da tabela periódica, criados recentemente de forma sintética. De 1994 para cá, foram adicionados 9 elementos à tabela, do número 110 ao 118, complicando ainda mais a difícil vida dos alunos de química. O Ununóctio foi descoberto em 2006 e até seu nome e símbolo químico são temporários. Ele foi detectado indiretamente e produzido através de colisões de átomos de califórnio e cálcio em laboratório, mas sua meia-vida é tão curta – 0,89 milissegundo – que não é possível descobrir muito sobre suas propriedades. Há debates sobre se ele seria gasoso ou não, e estima-se que ele será bem mais reativo que os outros elementos de seu grupo, mas as previsões não vão muito além.

Publicado em 06/05/2015, em Atualidades. Adicione o link aos favoritos. 43 Comentários.

  1. Giovanna Cruz (41) - Etec Júlio de Mesquita

    Segue o link da apresentação dos seguintes elementos: Argônio, Plutônio, Platina, Cálcio e Estanho.
    – Giovanna C. (41) – Beatriz (09) – Mariana N. () – Kaio W. (24) – Pedro E. (35) – 1ºF
    Grata!

    https://prezi.com/y0u-7gsgcgzg/copia-de-current-event/?utm_source=prezi-view&utm_medium=ending-bar&utm_content=Title-link&utm_campaign=ending-bar-tryout

    Curtir

  2. Yasmim Gonçalves

    Elemento Tântalo – Yasmim

    O tântalo é um elemento químico do grupo 5º e 6º período da tabela periódica.
    O tântalo (Ta) é usado apenas em pequenas quantidades. Contudo, há um grande interesse teórico pelos “clusters”, que eles formam quando estados de oxidação baixos.
    O nióbio e o tântalo ocorrem juntos. O mineral mais importante é a piroclorita, CaNaNb2O6F. Quantidades bem menores de columbita (Fe, Mn) Nb2O6, e de tantalita (Fe, Mn) Ta2O6, também são mineradas. Os minérios são dissolvidos ou por fusão com álcalis ou em ácido. Antigamente, a separação de Nb do Ta era efetuada tratando-se a mistura com uma solução de HF. Nessas condições, o Nb forma o composto solúvel, K2[NbOF5] equanto o Ta forma o composto insolúvel K2[TaF7]. Atualmente, a separação é efetuada por extração com solvente a partir de uma solução diluida de HF, utilizando metilisobutilcetona. Os metais são obtidos por redução dos pentóxidos com Na, ou então por elétrolise dos fluoro-complexos fundidos, como o K2[TaF7]. Em 1992, a produção mundial de Nb e Ta foi, respectivamente, de 15200 e 600 toneladas.
    O Ta é usado na fabricação de capacitores na indústria eletrônica. Como ele não é rejeitado pelo organismo humano, é usado na manufatura de próteses para o tratamento de fraturas, tais como chapas, pinos, parafusos e fios. O carbeto de tântalo, TaC, é o sólido com um dos mais elevados pontos de fusão que se conhece (cerca de 3800 °C).

    Estado de oxidação

    O vanádio (V), nióbio (Nb) e o tântalo(Ta) apresentam todos os estados de oxidação possíveis, de (+I) a (+V). O estado de oxidação (+V) é o mais estável para o Ta.
    O Ta (+V) não é reduzido. Os estados de oxidação inferiores se tornam cada vez menos estáveis.

    Tamanho

    Os átomos são menores que os do grupo do titânio devido a blindagem ineficiente do núcleo pelos elétrons d. Os raios covalentes e iônicos do Nb e do Ta são idênticos por causa da contração lantanídica. Por conseguinte, esses dois elementos têm propriedades muito semelhantes, ocorrem juntos e sua separação é muito difícil.

    Propriedades Gerais

    O Ta é um metal de cor prateada, com elevado ponto de fusão. O ponto de fusão do Ta é elevado mas os pontos de fusão máximos para os elementos da segunda e terceira séries de transição ocorrem no grupo seguinte (Grupo 6), com os elementos Mo e W.
    O metal Ta puro é moderadamente mole e dúctil, mas quantidades traço de impurezas os torna duro e quebradiço. É extremamente resistente à corrosão, devido à formação de uma película superficial de óxido. À temperatura ambiente, ele não reage com o ar, água ou ácidos, exceto o HF, com o qual formam complexos.
    O Ta se dissolve em álcalis fundido.
    O Ta reage com muitos não-metais à altas temperaturas. Os produtos frequentemente são compostos intersticiais, não-estequiométricos.
    O Ta praticamente não forma nenhum cátion. Assim, embora Ta seja metal, seus compostos no estado (+V) geralmente são covalentes, voláteis e facilmente hidrolisados — propriedades associadas aos não-metais.
    A química do Nb Ta se restringe essencialmente ao estado de oxidação (+V).
    Os tantalatos só se formam por fusão por fusão com NaOH. São decompostos por ácidos fracos ou por CO2, e exibem apenas algumas das propriedades dos isopolivanadatos.
    Os íons Ta (II) e Ta(III) não são iônicos, mas formam “clusters” do tipo M6X12, nos quais existem vários átomos do metal estão ligados entre si.

    COR

    A cor dos compostos dos metais de transição normalmente se deve às transições eletrônicas d-d. Pode decorrer de defeitos no sólido e de transições de transferência de carga. Os íons em estados de oxidação inferiores a (+V) são coloridos, pois possuem um nível eletrônico d preenchido de forma incompleta, que possibilita a ocorrência de transições d-d.O TaF5 e o TaCl5 são brancos. Tais cores se devem a ocorrência de transferência de carga.

    Curtir

  3. Erica De Souza Alves

    Erica Alves
    O BROMO (Br)
    APRESENTAÇÃO:
    Foi descoberto em 1826 por A.J. Balard em Montpellier na França, ao tratar com cloro uma solução aquosa de cinzas de algas marinhas. O Bromo, (cujo símbolo é Br), assim como o Mercúrio na temperatura ambiente é líquido, instável, denso, volátil e possui uma cor marrom-avermelhada. Já quando aquecido a temperaturas comuns e pressões padrões evapora facilmente, tornando-se um vapor avermelhado (coloração parecida com a do dióxido de nitrogênio) e apresenta um forte e desagradável odor, que irritam olhos e garganta. Pode, também, ocorrer inflamação do sistema respiratório. Se em estado líquido, pode afetar a gravemente pele. O Bromo possui número atômico 35 e massa atômica 80 u. Na tabela periódica, o Bromo está na família dos halogênios, grupo 7A ou 17Os, onde os halogênios possuem duas características principais: não são metais (na tabela periódica, apenas os halogênios e os gases nobres possuem tal característica) e são formadores de sais. O Bromo encontrado na natureza está geralmente em formato de sais (por isso o seu descobrimento nas salinas) e não em seu estado elementar.
    CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS E CONCLUSÕES SOBRE O BROMO:
    O Bromo, assim como os outros halogênios, possui sete elétrons na última camada e para adquirir estabilidade necessita ganhar um elétron.
    O Bromo e o Mercúrio são os únicos elementos não metálicos que se encontram no estado líquido à temperatura ambiente.
    Possui uma alta capacidade de oxidação, além da capacidade de dissolução em compostos orgânicos apolares, como o álcool.
    Em razão de sua alta oxidação pode também reagir com alguns elementos como o alumínio, gerando explosão.
    Este halogênio se parece quimicamente ao cloro, porém é menos reativo (entretanto mais que o iodo).
    O bromo não é muito solúvel em água e dissolve-se melhor em solventes não polares como o dissulfeto de carbono, CS2, ou o tetracloreto de carbono, CCl4.
    Reage facilmente com muitos elementos e tem um forte efeito branqueador.
    O bromo é altamente reativo e é um forte agente oxidante em presença de água.
    Como muito dos metais e outros elementos, o bromo anidro é menos reativo que o úmido, entretanto, o bromo seco reage vigorosamente com o alumínio, mercúrio, titânio, metais alcalinos e alcalino-terrosos
    Pode-se extrair o bromo da água do mar através da redução dos íons de bromo com cloro gasoso:
    2Br- + Cl2 → Br2 + 2Cl-
    PRINCIPAIS APLICAÇÕES E COMPOSTOS COMERCIAIS:
    O bromo molecular é empregado na fabricação de uma ampla variedade de compostos de bromo, usados na indústria e na agricultura. Tradicionalmente, a maior aplicação do bromo tem sido para a produção de 1,2-dibrometano, que é usado como aditivo nas gasolinas que tem como antidetonante o retrátil de chumbo.
    O bromo é empregado na fabricação de produtos de pulverização, agentes não inflamáveis, produtos para a purificação de águas, corantes, brometos empregados em fotografia ( brometo de prata, AgBr ), desinfetantes, inseticidas e outros. Também para a obtenção de brometo de hidrogênio:
    Br2 + H2 → 2HBr
    • Ácido bromídrico – HBr – usado como catalisador de reações orgânicas.
    • Brometo de etileno – Br – CH2 – CH2 – Br – misturado em combustíveis para evitar a acumulação de chumbo nos motores.
    • Brometo de prata – AgBr – usado em emulsões fotográficas.
    • Brometo de potássio – KBr – usado como tranquilizante.
    • Ácido brômico – KBrO3 – muito usado na química analítica.
    • Brometo de césio – CsBr – utilizado na fabricação de prismas ópticos.
    • Metil Brometo – usado na exterminação de insetos e roedores.
    • Bromo clorometano – CH2BrCl – usado em extintores.

    Curtir

  4. Rúbia Evangelista

    Rúbia Evangelista – Nº 37

    Oxigênio (O)
    Informações Gerais
    O oxigênio é um gás incolor, inodoro e insípido e atóxico. Forma cerca de 21% em volume da atmosfera terrestre, seus compostos e ele formam 49,2%, em peso, da crosta terrestre e 88,9%, em peso, da água.
    Pode ser considerado como o elemento mais importante por atuar diretamente nas funções vitais dos seres vivos.
    O ozônio (O3), forma alotrópica do oxigênio, é formado por uma descarga elétrica ou ação da luz ultravioleta no oxigênio. É um importante componente da atmosfera, pois evita que os raios ultravioleta do sol atinjam a superfície daTerra. Noventa por cento da quantidade de ozônio está presente numa camada entre 10 e 50 Km acima da superfície, na região da atmosfera conhecida como “camada de ozônio”.
    Segundo a Teoria da Evolução da Terra, há aproximadamente 3 bilhões de anos, o planeta Terra estava em formação; não havia oxigênio na atmosfera.
    A atmosfera era constituída principalmente pelos gases dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e amônia (NH3). A amônia foi decomposta pela energia solar, produzindo e liberando gás nitrogênio (N2) na atmosfera..
    O oxigênio, O2, surgiu à partir do processo de fotosíntese das plantas. Por sua alta reatividade, começou a se combinar com outros elementos e compostos, formando a crosta terrestre. Esse processo levou alguns milhões de anos.
    Mesmo após o fim dessas reações, as plantas continuaram a produzir oxigênio que, sem ter como se combinar, começou a formar a atmosfera terrestre.
    Em 1772, o oxigênio foi detectado como um dos elementos componentes do ar pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele, mas a descoberta não foi publicada.
    Em 1774, Joseph Priestley ficou com o crédito da descoberta com a publicação oficial.
    Em 1779, Antoine Lavoisier, químico francês, propôs o nome oxigênio para o elemento descoberto.
    Nome do Elemento: Oxigênio
    Símbolo Químico: O
    Número Atômico (Z): 8
    Peso Atômico: 15,9994
    Grupo da Tabela: 16 (VIA)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p4
    Classificação: Não Metal
    Estado Físico: Gasoso (T=298K)
    Densidade: –
    Ponto de Fusão (PF): 54,8 K
    Ponto de Ebulição (PE): 90,2 K
    Origem do Nome
    Do grego “oxy genes” que significa “o que forma ácidos”.
    Produção
    De forma industrial, é obtido pela destilação fracionada do ar liquefeito.
    Em laboratório, pode ser produzido pela eletrólise da água ou pelo aquecimento do clorato de potássio sob ação do dióxido de manganês como catalisador.
    Aplicações
    Oxigênio é um elemento essencial para a vida e tem uma variedade de aplicações industriais ou não. Nas indústrias química, petroquímica e farmacêutica, para fabricação de compostos diversos. Em medicina, no tratamento de insuficiência respiratória e outros. Na produção de metais, processos de solda e corte. Na atividade espacial, como oxidante para foguetes. Na produção de papel e polpa, fabricação de componentes eletrônicos, tratamento de água, etc.

    Curtir

  5. Beatriz do Prado

    Tecnécio (TC)
    Beatriz do Prado N°08
    Descoberta:
    Foi descoberto por Carlos Perrier e Emilio Segré na Itália em 1937, numa amostra de molibdênio, enviada por Ernest Lawrence, que foi bombardeada com núcleos de deutério em um cicloton em Berkeley. O Tecnécio foi o primeiro elemento a ser produzido artificialmente, por isso o nome Tecnécio que do grego Technetos, significa “artificial”.
    O desenvolvimento da energia nuclear em meados do século XX permitiu gerar as primeiras amostras deste elemento por meio de reações núcleares.
    Informações Gerais:
    É um metal de transição, cinza prateado, radioativo, sendo obtido de forma sintética.
    A temperatura ambiente do Tecnécio encontra-se no estado sólido.
    Este elemento inibe bem a corrosão do aço, e é um exelente supercondutor a temperaturas abaixo de 11 K.
    Algumas estrelas gigantes vermelhas apresentam uma linha de emissão em seu espectro correspondente a presença do Tecnécio, esta descoberta tem levado a novas teorias sobre a produção de elementos pesados nas estrelas.
    O maior estado de oxidação possível é 7, quando todos os elétrons são utilizados para formar ligações.
    Número atômico: 43
    Massa atômica: 98
    Ponto de fusão: 2430 K (2157 C°)
    Ponto de ebulição: 4538 K (4265 C°)
    Grupo: 7
    Período: 5
    Bloco: d
    Densidade/dureza: 11500 kg/m3
    Configuração eletrônica: 4d5 5s2
    Calor específico: 210 J
    Estado(s) de oxidação: 7, 6, 5, 4, 3, 2, 1, -1, -3
    Aplicações:
    Sua principal aplicação é em medicina nuclear, em técnicas de diagnóstico, são empregados compostos 99Tcm como radiofarmacos, (radiofarmacos: tem a finalidade de diagnosticar patologias e disfunções do organismo. Em menor extenção, são aplicados na terápia de doenças, particulamente no tratamento de tumores radiossensíveis).
    O isótopo 99Tcm (m=meta estado) tem uma meia vida de 6,01 horas e é usado para fins medicinais devido á energia de radiação gama emitida e á possibilidade de ligação química com moléculas biologicamente ativas.

    Curtir

  6. Vitor Geraldi (39)

    Vitor Geraldi-Nº39

    Rádio (Ra)
    O Rádio (do latim radius,que significa raio) foi descoberto em 1898 por Pierre e Marie Curie, enquanto faziam experiências com metais de urânio, onde constataram que a pechblenda (óxido de urânio) e a calcolita (fosfato de cobre e uranila) eram mais radiotivos que o próprio urânio. Como esses minerais já eram conhecidos,eles suspeitaram que houvesse um outro elemento mais radiotivo em quantidade menor. Sob essa suspeita, eles decidiram tentar isolar tal elemento, até que Gustave Bémont e o casal Curie conseguiram através da pechblenda descobrir um novo elemento quimicamente semelhante ao bário e mais radioativo que qualquer outro. Eugène-Anatole Demarçay espectroscopicamente a mistura dos cloretos de bário e de rádio, verificando uma nova linha na região do ultravioleta (381,47 nm), prova importante da descoberta do rádio.Em 1911, Marie e André-Louis Debierne obtiveram, pela primeira vez, o rádio metálico, através da eletrólise do cloreto, com o uso de um catodo de mercúrio. O metal foi removido do amálgama formado por destilação em atmosfera de hidrogênio.
    É um metal da familia dos alcalinos-terrosos,quem em temperatura ambiente,se encontra em estado sólido.Emissor de radiação alfa,beta e gama, produzindo nêutrons quando misturado ao berílio.2000 vezes mais radiotivo que o urânio,quando novo,é brilhante,mas vai escurecendo em contato com o ar,devido a transformação em nitreto.Reage com a água, é luminescente e deixa as chamas com uma coloração vermelha.Ao ser desintegrado,o Chumbo(PB) é seu produto final.A unidade de atividade Curie é definida como a taxa de desintegração de 1 g de 226Ra (3,7 1010 por segundo).A disponibilidade do rádio é de 1g para cada 7 toneladas de mineral de uraninita,estimando-se que haja uma parte por trilhão (1ppt ou 1ng kg-1) de rádio na crosta terrestre.Seus Isótopos de massa 226 (t½ = 1599 anos) e 228 (t½ = 5,76 anos) são os unicos que tem meias-vidas superiores a um ano.
    Número atômico: 88
    Massa atômica: 226
    Grupo: IIA
    Período: 7
    Bloco: s
    Ponto de fusão: 700ºC
    Ponto de ebulição: 1140ºC
    Densidade: 5,0g/m³
    Distribuição eletrônica: [Rn]7s2
    Estados de oxidação: +2
    Eletronegatividade: 0,9 Pauling
    Compostos e/ou reações:
    Reação com oxigênio:
    2Ra + O2 = 2RaO
    Ra + O2 = RaO2
    Reação com nitrogênio: 3Ra + N2 = Ra3N2
    Reação com água: Ra + 2H2O = Ra(OH)2 + H2
    O Rádio é usado em tintas luminosas e como gerador de nêutrons e na medicina(radioterapia).
    O gás nobre Radônio(Rn) é subproduto da decomposição radioativa do Rádio, pela dissolução do Brometo de Rádio (RaBr2) em água ou de bombeamento dos gases produzidos pelo RaF2 sólido para tubos selados.Ele é responsável por 48% da produção natural de radição terrestre, e no ar encontra-se em uma taxa media de 8 Bq/m³.

    Curtir

  7. Ana carolina

    Carbono- Ana Carolina n°01- 1°F

    Propriedades especificas

     Nome do Elemento: Carbono
     Símbolo Químico: C
     Número Atômico (Z): 6
     Peso Atômico: 12, 0107
     Grupo da Tabela: 14 (IVA)
     Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p2
     Classificação: Não Metal
     Estado Físico: Sólido (T=298K)
     Densidade: 2,267 g/cm3)
     Ponto de Fusão (PF): 3800,0 K
     Ponto de Ebulição (PE): 4300,0 K

    Origem

    O carbono é um elemento que existe em grande abundancia na Terra e no Universo, pois se concentra no Sol, em outras estrelas e na maioria dos outros planetas, sendo assim, considerado o elemento base da química da vida. Durante os últimos estágios da evolução estelar, muitas das estrelas compactas queimaram e formaram o carbono. O carbono foi formado numa fusão que ocorre no núcleo das estrelas, onde dois ou mais átomos se unem para formar um novo elemento com núcleo e massa maior. Toda a matéria na terra foi formada pela morte de uma estrela.Apesar do carbono ser utilizado na antiguidade, ele só foi reconhecido e valorizado como um elemento químico, a partir do trabalho de pesquisadores como Archibald Scott Couper e Friedrich August Kekulé, que no século XIX, iniciaram os estudos sobre a estrutura e o comportamento químico do carbono.
    Características gerais
    O caborno possui vários compostos produzidos em larga escala entre eles, o negro fumo, coque, grafite, carbonatos, dióxido de carbono, monóxido de carbono,uréia, carbeto de cálcio, cianamida de cálcio e dissulfeto de carbono.

    Aplicações

    É aplicado na forma de coque nas indústrias do ferro e do aço, onde se utiliza para reduzir o minério de ferro nos altos fornos.
    Os compostos negros de carbono têm larga aplicação nas tintas de impressão e também nas indústrias de papel, plásticas e pintura.
    Em menores quantidades é usado na manufatura de escovas de carbono para motores e também como isolador.
    A maior aplicação dos compostos de carbono na fase gasosa é a recolha de solventes orgânicos voláteis do ar e a purificação ou separação de gases naturais e industriais.

    Curiosidades

    •Na forma de grafite e de diamante, o carbono é utilizado desde a Pré-História.
    •A Química Orgânica é a área responsável pelo estudo da química dos compostos de carbono.
    •Na atmosfera, existe um ciclo que acontece com o CO2, os organismos vivos, os compostos de carbono e o CO2 dissolvido nos oceanos. Esse ciclo é lento e responsável por trazer o equilíbrio desses elementos.
    •Uma das referências mais antigas que se tem sobre o diamante é do século IV a.C., através de Kautilya, uma princesa que viveu na corte de Candragupta-Maurya, na Índia. Ela sugeriu que essa pedra poderia ser utilizada como pedra preciosa e como objeto de taxação por especialistas.Somos todos feitos de estrelas- Carl Sagan–Em 1980, o astrônomo Carl Sagan narrou uma série televisiva de 13 episódios na qual explicou muitos temas relacionados com a ciência, como a história da Terra, a evolução, e a origem da vida e do sistema solar. Segundo ele, algumas partes do nosso ser mostram de onde viemos. Ele dizia que “nós somos feitos de matéria estelar”. Com isso, ele resumiu o fato de que os átomos de carbono, nitrogênio e oxigênio em nossos corpos, assim como os átomos de todos os outros elementos pesados, foram criados em gerações anteriores de estrelas há mais de 4,5 bilhões de anos.Como todos os seres humanos e os outros animais – assim como a maioria da matéria na Terra – contêm esses elementos, sim, nós somos literalmente feitos de matéria estelar. Todo o carbono que contém matéria orgânica foi produzido originalmente nas estrelas.
    Existe cerca de 18% de carbono no organismo de nós seres humanos

    Curtir

  8. Beatriz Correia

    Plutônio

    Nome: Plutônio
    Número Atômico: 94
    Símbolo Químico: Pu
    Massa Atômica: 244,0642
    Configuração Eletrônica: [Rn]5f67s2
    Substância Elementar mais comum : Pu
    Classe de Substâncias Elementares : Metal de transição interna, Actinídeo
    Origem : Artificial
    Estado Físico : Sólido
    Ponto de Fusão : 914 K
    Ponto de Ebulição : 3505 K

    O plutônio, cujo nome deriva do planeta Plutão, foi o segundo elemento transurânico a ser descoberto. Uma equipe liderada por Glenn T. Seaborg e Edwin McMillan naUniversidade da Califórnia, Berkeley, sintetizou plutônio pela primeira vez em 1940 bombardeando urânio-238 com deutério. Traços de plutônio na natureza foram descobertos subsequentemente. Produzindo plutônio em quantidades utilizáveis pela primeira vez foi a maior parte do Projeto Manhattan durante a Segunda Guerra Mundial, que desenvolveu armas nucleares pela primeira vez.

    Plutônio é principalmente um produto de reações nucleares em reatores onde alguns nêutrons liberados em fissões nucleares são capturados por átomos de U-238, que após uma série de decaimentos, finalmente torna-se plutônio.
    A química de base do plutônio foi encontrada após alguns meses de estudo inicial e assemelha-se a do urânio. As pesquisas iniciais foram mantidas em segredo no Laboratório Metalúrgico da Universidade de Chicago.
    Em 18 de agosto de 1942, uma quantidade deste elemento foi isolado e medida pela primeira vez. Cerca de 50 microgramas de plutônio-239 combinado e com produtos da fissão do urânio foi produzido e apenas cerca de 1 micrograma foi isolado. Esta amostra permitiu aos químicos que determinassem o peso do novo elemento químico.

    É um metal de cor prateada-branca, que embaça em contato com o ar, formando um revestimento amorfo quando oxidado, radioativo, frágil e muito denso, usado em reatores e na bomba nuclear, em sondas espaciais e como componente de marca passos cardíacos. É um elemento extremamente tóxico e reativo, capaz de contaminar o meio ambiente, e prejudicar a saúde causando a morte. A maior parte do plutônio existente é obtido como subproduto do trabalho de reatores nucleares em seguida sendo comercializado.

    Curtir

  9. Miguel Xavier Mailho Maia

    arsenio -Miguel
    O arsênio, elemento químico de símbolo As e número atômico 33, é por muitas vezes considerado um semimetal ou metalóide por possuir características físicas e químicas pertencentes tanto aos metais quanto aos não metais. Porém, como não é claramente definido o grupo dos metalóides, as novas tabelas periódicas o classificam como não-metal.
    Possui massa atômica 75 u e apresenta-se, nas condições ambiente, sólido. Sua aparência varia de acordo com o estado alotrópico em que se encontra: cinza metálico (α, forma mais estável) para o estado romboédrico, amarelo para o estado em que vapor arsênico sofre resfriamento rápido (forma γ) ou preto (forma β). Dentre estes estados, apenas o cinza metálico possui brilho e o amarelo fosforescência. E o arsênio α é o único a ser condutor intermediário de eletricidade; os outros são péssimos condutores.
    Arsênio isolado
    Seu consumo é extremamente prejudicial, e a ingestão recomendada é de, no máximo, 15 μ g. Sendo que, essa quantidade não deve ser inserida no organismo com o arsênio puro, mas naturalmente no consumo da carne vermelha, peixes e crustáceos.
    Uma dose extra de arsênio pode ocasionar desde vômitos e indisposições, a cânceres. O principal motivo de muitas pessoas serem contaminadas com esse elemento é o consumo de águas subterrâneas extraídas de poços não vistoriados. Um grande exemplo disso foi a contaminação em massa em Bangladesh (Índia), onde estima-se entre 20 e 75 milhões o número de infectados com arsênio em águas consideradas potáveis.
    Ocorrência
    O arsênio é muito raro e não se apresenta puro na natureza, mas sob forma de sulfetos e em minérios de antimônio. Seus estados de oxidação -3, +3 e +5 o fazem ser altamente reativo com cloro e outras substâncias oxidantes (como ácido nítrico).
    No Brasil, é encontrado nas piritas (minérios de ferro e enxofre) em jazidas de ouro, especialmente no estado de Minas Gerais. No resto do mundo as maiores evidências de arsênio dão-se através do trissulfeto de arsênio (As2S3) – ouro-pigmento – e do bissulfeto de arsênio (As2S2) – realgar.
    Reservas
    As maiores reservas desse mineral (cerca de 11 milhões de toneladas) se encontram em minas de cobre e chumbo no Chile e nas Filipinas.
    Atualmente, é considerado o 20º elemento mais abundante da Terra.
    Aplicações
    O composto de arsênio mais utilizado no mundo é o óxido arsenioso (As2O3). E sua utilização é voltada para o extermínio de pragas, por ser altamente letal em grandes quantidades.
    Mas, sua utilização não se resume a apenas veneno. O arsênio é muito utilizado no reforço de ligas metálicas e na conservação da madeira, além de clarificador em vidros e constituinte de fogos-de-artifício (na forma de realgar).
    Descoberta
    Teólogo e filósofo alemão: Alberto Magno – se dedicou aos estudos do arsênio, em 1250.

    Curtir

  10. Esther de Souza

    Feito por:Esther de Souza n°16

    Prata
    https://www.google.com.br/search?q=prata&es_sm=122&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=eFNPVaXQGcP2UtyKgYAG&ved=0CAcQ_AUoAQ&biw=1600&bih=809#tbm=isch&q=elemento+quimico+prata&imgrc=QjEozn3MJ8cx9M%253A%3B6Kw8oJY2ZWgmUM%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.infoescola.com%252Fwp-content%252Fuploads%252F2010%252F03%252Fprata.jpg%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.infoescola.com%252Felementos-quimicos%252Fprata%252F%3B360%3B242

    Características
    A prata (Ag) é um elemento químico metálico que pertence à classe dos metais de transição, sendo assim localizado no grupo11 e período 5 da Tabela Periódica. De cor branco-brilhante, dúctil ou seja flexível e maleável.
    Possui número atómico 47 e massa atómica aproximadamente 107,87 u. É o metal que possui melhor condutibilidade elétrica.
    A prata foi descoberta na Pré-História, depois da descoberta do ouro e do cobre (cerca de 3000 a. C.).
    Ponto de fusão: 1234,93 K (961,78 °C)
    Ponto de ebulição: 2435 K (2162 °C)
    A prata é a mais branca de todos os metais e apresenta um poder de reflexão da luz especialmente elevado.

    Propriedades
    Prata pura é brilhante, lustrosa. É apenas um pouco mais dura que o ouro. A ductilidade e a maleabilidade são inferiores apenas às do ouro e do paládio.
    É o metal de maior condutividade elétrica e térmica.
    É estável no ar e água puros mas muda de cor sob ação de ozônio, sulfeto de hidrogênio ou ar com enxofre.
    Recém depositada, é o melhor refletor de luz visível mas perde rapidamente a capacidade. Pouco reflete a luz ultravioleta.
    A prata em si não é considerada tóxica mas muitos dos seus sais são venenosos. Se absorvidos pelo sistema circulatório, a prata metálica é depositada nos tecidos, provocando a argiria, que se mostra pela pigmentação cinza da pele e mucosas.
    Tem um efeito germicida sobre seres inferiores sem causar prejuízo para os maiores.

    Disponibilidade
    Encontrada na forma nativa e em minerais como a argentita (sulfeto de prata) e silvanita (telureto de ouro e prata) e junto a outros minérios de cobre, chumbo, zinco, ouro, níquel.

    Utilidades
    Utilizado em confecções de jóias e utensílios
    Já foi usada em moedas.
    Em ligas odontológicas, ligas para solda, contatos elétricos, baterias de alta capacidade (prata-zinco e prata-cádmio).
    Pinturas à base de prata são usadas em circuitos impressos.
    Em espelhos, nos quais a prata é depositada no vidro ou no metal por meios químicos (eletrodeposição ou evaporação).
    O nitrato de prata é provavelmente o composto mais importante e é usado extensivamente em fotografia.
    O fulminato de prata é um poderoso explosivo.
    O iodeto de prata é usado para provocar chuvas.
    Cloreto de prata tem propriedades óticas especiais, pode ser transparente e servir de cimento para vidro.

    Reservas
    As reservas mundiais de prata são estimadas em 560.000 toneladas, e destas, cerca de 2% pertencem ao Brasil
    As principais jazidas encontram-se nos EUA (Nevada), México, Peru, Federação Russa, Canadá, Austrália e Bolívia.
    Curiosidades
    Há inúmeras provas da importância e da utilização da prata na antiguidade. A prata já tinha seu valor social desde o Velho Testamento, citada numa passagem envolvendo Abraão, que presume-se ter vivido entre 2160 e 1985 a.C. ; fala de “um homem muito rico, cheio de ouro e prata”.
    A prata, bem como o ouro, eram símbolos de poder e riqueza. No período de 1780 à 1580 a.C., a prata tinha o dobro do valor do ouro. Tornou-se mais abundante entre 1530 e 1350 a.C., ficando menos valiosa que o ouro.
    Durante os séculos VII e VIII, os alquimistas não consideravam a prata um metal tão perfeito quanto o ouro. Eles a representavam com o símbolo de um semi – círculo, sugerindo a perfeição matemática pela metade e sua suposta ligação com a lua.

    Curtir

  11. Giovana Mansano Cruz nº17

    TUNGSTÊNIO

    O Tungstênio, é um metal de transição externa muito resistente à corrosão. É sólido, apresenta coloração branco-acizentado e brilhante nas condições ambiente e, é o elemento com o maior pontode fusão e de ebulição da tabelaperiódica:respectivamente, 3422°C e 5657°C. Seu símbolo químico é W.

    Suamassa atômica vale aproximadamente 184 e seu número atômico é igual a 74 (elétrons e prótons). É um bom condutor de calor e decorrente elétrica.
    Quando exposto ao ar sofre oxidação, entretanto, por causa do óxido formado (que protege o restante do metal) é considerado muito resistente à corrosão. Assim como, só é atacado ligeiramente por ácidos minerais diluídos.
    Age biologicamente como o Molibdênio: na formação de enzimas que promovem a transferência de elétrons (enzimas oxirredutases).
    Ocorrência e Abundância
    Os minérios fornecedores de tungstênio mais importantes são a wolframita (com o tungstato de Ferro-Manganês, FeWO4/MnWO4) e a scheelite (tungstato de cálcio, CaWO4). A concentração deste metal na crosta terrestre é de 1,3 ppm. Observando-se as reservas ao redor do globo (7.000.000 de toneladas), se as explorações continuarem no mesmo ritmo as reservas durarão pouco mais de 100 anos.

    Aplicações

    • Ligas metálicas resistentes a altas temperaturas e corrosão;
    • Peças aeroespaciais;
    • Armamentos e munição;
    • Brocas de perfuração;
    • Filamentos de tungstênio para lâmpadas incandescentes.
    • Eletrodos para processo de soldagem a arco;
    • Catalisadores;
    • Lubrificantes para condição operacional de até 500°C (sob forma de WS2).

    DESCOBRIMENTO E ORIGEM DO NOME

    A existência do tungstênio seria proposta, pela primeira vez, em 1779, porPeter Woulfe, o qual após examinar a volframita, concluiu que este mineral continha uma nova substância.7Em 1781, Carl Wilhelm Scheele descobriu que um novo ácido, o ácido túngstico, podia ser obtido a partir dascheelita (então chamada tungstenita). Scheele e Torbern Bergman sugeriram que poderia ser possível obter um novo metal por meio da redução deste ácido.8 Em 1783, Juan José e Fausto Delhuyar descobriram um ácido obtido da volframita que era idêntico ao ácido túngstico. Mais tarde nesse mesmo ano, na Espanha, os irmãos conseguiram isolar o tungstênio por meio da redução do seu ácido com carvão vegetal, sendo-lhes creditada a descoberta deste elemento,
    O termo “tungstênio” tem origem nos termos nórdicos tung sten, significando “pedra pesada”, utilizados por Axel Fredrik Cronstedt em 1757 para designar o mineral que hoje se designa scheelita, descoberto na Suécia em 1750, deriva do alemão “wolf rahm” (“fuligem de lobo”, “creme de lobo”), o nome dado ao tungstênio por Johan Gottschalk Wallerius em 1747, e do qual derivou também o símbolo químico do elemento, W.

    Curtir

  12. Luana Araujo n° 27

    Prata (Ag)

    Origem do Nome
    O símbolo Ag vem do latin “argentum” que quer dizer prata.

    Símbolo Químico: Ag
    Número Atômico (Z): 47
    Peso Atômico: 107,8682
    Grupo da Tabela: 11 (IB)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 4d10 5s1
    Classificação: Metal de Transição
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 10,490 (g/cm3)
    Ponto de Fusão (PF): 1234,93 K
    Ponto de Ebulição (PE): 2435

    Apresenta estrutura cristalina cúbica de empacotamento compacto. Conduz bem a eletricidade e o calor, e tende a ser pouco reativa. O íon simples que pode ser encontrado em solução (além de íons complexos) é Ag2+.
    A prata é encontrada na forma de minérios do grupo dos sulfetos, como Ag2S (argentita), como cloreto AgCl (cloroarginita) ou como prata nativa. Três processos de extração estão sendo utilizados:
    Atualmente, a maior parte é obtida como subproduto do cobre, chumbo ou zinco. Pode ser obtida da lama anódica formada no refino eletrolítico de cobre e de zinco.
    Zinco é usado para extrair a prata do chumbo em estado de fusão, por extração com solvente, no processo Parke.
    Ouro e prata podem ser extraídos de seus minérios na forma de ciano complexos solúveis.

    Estado de oxidação
    O elemento prata pode ser encontrado nos estados de oxidação (+I), (+II) e (+III). Em solução aquosa, o íon hidratado simples estável é Ag+. Ag(+III) e Ag(+II) são oxidantes tão fortes que são capazes de oxidar a água, e por isso só ocorrem quando estabilizados na forma de complexos ou como compostos insolúveis.

    Propriedades Gerais
    A prata apresenta grande condutividade elétrica e térmica. Depois do ouro, é o mais maleável e mais dúctil dos metais, devido à sua estrutura de empacotamento cúbico compacto. Ao ser aplicada uma força suficientemente grande, um plano pode ser forçado a se deslocar sobre outro. Pelo fato da estrutura ser muito simples, quando ocorre esse deslizamento a estrutura cúbica regular de empacotamento compacto é preservada.

    Informações Gerais
    A prata é um metal branco, brilhante, dúctil e maleável, que perde o brilho quando exposto ao ozônio (O3). É um bom condutor de eletricidade e um elemento estável quando exposto ao ar e à água.
    A aparência atrativa do metal é a causadora da sua grande demanda para fins ornamentais. Sua principal desvantagem é a perda gradativa do seu brilho, principalmente nas regiões com indústrias, que liberam compostos de enxofre
    (S) na atmosfera, que reagem formando sulfeto de prata.

    Histórico
    É velha conhecida da espécie humana. Estudos indicaram que o homem começou a separar a prata por volta de 3000 AC.
    A prata já tinha seu valor social desde o Velho Testamento, citada numa passagem envolvendo Abraão, que presume-se ter vivido entre 2160 e 1985 a.C. ; fala de “um homem muito rico, cheio de ouro e prata”.
    A prata, bem como o ouro, eram símbolos de poder e riqueza. No período de 1780 à 1580 a.C., a prata tinha o dobro do valor do ouro. Tornou-se mais abundante entre 1530 e 1350 a.C., ficando menos valiosa que o ouro.
    Durante os séculos VII e VIII, os alquimistas não consideravam a prata um metal tão perfeito quanto o ouro. Eles a representavam com o símbolo de um semi – círculo, sugerindo a perfeição matemática pela metade e sua suposta ligação com a lua.
    Apesar de sua grande exploração e redução das suas reservas na crosta terrestre, a prata ainda é muito usada, não só para fins ornamentais, mas também para emprego em diversas áreas da indústria.

    Disponibilidade
    Encontrada na forma nativa e em minerais como a argentita (sulfeto de prata) e silvanita (telureto de ouro e prata) e junto a alguns minérios de cobre, chumbo, zinco, ouro, níquel.

    Produção
    Industrialmente prata é obtida como subproduto do processamento de metais como cobre, zinco, chumbo.
    Prata comercial deve ter pureza de no mínimo 99,9%. Valores até 99,999% são disponíveis.
    Em laboratório, a prata pode ser obtida pela reação de uma solução do nitrato com cobre metálico: (esta reação forma cristais de prata em uma solução azul-esverdeada de nitrato de cobre).
    Cu + 2AgNO3 ® Cu(NO3)2 + 2 Ag

    Aplicações
    Em joalheria e em outros objetos decorativos, nos quais a aparência é determinante. Em geral, são usadas ligas com cerca de 92% de prata e o restante de cobre ou de outros metais.
    Por muito tempo, foi usada em moedas.
    Em ligas odontológicas, ligas para solda, contatos elétricos, baterias de alta capacidade (prata-zinco e prata-cádmio).
    Pinturas à base de prata são usadas em circuitos impressos.
    Em espelhos, nos quais a prata é depositada no vidro ou no metal por meios químicos (eletrodeposição ou evaporação).
    O nitrato de prata é provavelmente o composto mais importante e é usado extensivamente em fotografia convencional.
    O fulminato de prata é um poderoso explosivo.
    O iodeto de prata é usado para provocar chuvas.
    Cloreto de prata tem propriedades óticas especiais, pode ser transparente e servir de cimento para vidro.

    Curiosidades
    Antigamente dizia-se que projéteis de prata repeliam ou destruíam maus espíritos.
    Os antigos em diversas culturas reverenciavam a prata como o metal da deusa Lua.
    A prata ainda é apreciada em ritos de passagem: batismos, casamentos, aniversários e celebrações.
    A maior pedra bruta de prata foi encontrada em Cobalt, no Canadá, e pesava 744 quilos.

    Curtir

  13. Ana Carolina Gonçalves

    Ana Carolina Gonçalves N° 2

    Magnésio
    Símbolo: Mg
    Número atômico: 12
    Configuração eletrônica: Ne 3s2
    Ponto de fusão: 650 °C
    Descobrimento: 1755
    Massa atômica: 24,305 ± 0,0006 u
    Série química: Metal, Metal alcalinoterroso, Elemento do 3º Período
    Ponto de ebulição: 1363 K (1090 °C)

    Magnésio é um metal de símbolo Mg, de cor branco-prateado, bastante resistente, duro e leve (aliás, em estado puro, é o mais leve de todos os metais conhecidos). Quando pulverizado, entra facilmente em ignição ao ser aquecido, exibindo uma chama ofuscante. Já quando sofre oxidação, é capaz de perder seu brilho, com o surgimento de leves manchas, quando em simples contato com o ar, dando origem ao composto hidróxido de magnésio, que libera hidrogênio.

    Os compostos de magnésio são utilizados há bastante tempo, desde a antiguidade, apresentando-se na natureza em sua grande maioria na forma de cristais brancos, porém nunca ocorrendo em forma pura na natureza. Assim, apresenta-se sempre em combinação com diversos elementos, em numerosos compostos naturais, como por exemplo a magnesita (MgCO3, carbonato de magnésio) e a dolomita (carbonato duplo de cálcio e magnésio, MgCa(CO3)2) e em águas salinas naturais.

    Com efeito, a água do mar contém em torno de 1300 ppm de magnésio em peso, na forma de cloreto (MgCl2). Foi descoberto pela primeira vez em 1755 pelo físico e químico escocês Joseph Black, e posteriormente isolado pelo físico e químico inglês Humphry Davy, em 1808, através da evaporação do mercúrio presente em um amálgama de magnésio, resultado da eletrólise de uma mistura de magnésia e óxido de mercúrio. Já a elaboração, pela primeira vez, de um composto de magnésio manuseável é obra do químico francês Antoine Bussy em 1831.

    Reconhecido como o oitavo elemento em abundância na natureza, o magnésio constitui 2,5% da composição da crosta terrestre, sendo um dos mais abundantes entre os elementos do grupo de metais alcalinos, bem como o nono elemento mais abundante em todo o universo. É ainda o 11o elemento mais abundante no corpo humano, considerando-se sua massa.

    O nome magnésio é originário do grego “magnesia”, alusão ao nome de um distrito da região da Tessália, sendo seu nome relacionado com “magnetita” e “manganês”, elementos descobertos pela primeira vez na mesma área.
    Seu peso específico é de 1,738 g/cm³, com um ponto de fusão localizado em aproximadamente 650 graus Celsius, possuindo um peso atômico de 24,30. Seu número atômico é 12, valendo ao magnésio um lugar entre os elementos denominados “metais alcalinos terrosos” posicionados no grupo IIa da tabela periódica dos elementos químicos.
    No Brasil existem importantes jazidas de magnesita (MgCO3) no Ceará (Orós e Cariús) e na Bahia (Brumados). Em Sergipe é encontrado em conjunto com jazidas de potássio na denominada bacia salífera sergipana. Ocorrem grandes reservas de dolomita no estados de São Paulo e Paraná.

    O elemento magnésio e sua diversas substâncias servem para diversas aplicações no dia-a-dia, sendo os prinicpais:

    *Os compostos de magnésio, principalmente seu óxido, são usados como material refratário em fornos para a produção de ferro e aço, metais não ferrosos, cristais e cimento;

    *Os compostos de magnésio são também aplicados na agricultura, como auxilar condicionante da fotossíntese. O uso principal do metal é como elemento de liga com o alumínio, empregando-a para a produção de recipientes de bebidas, componentes de automóveis como aros de roda e maquinárias diversas. O magnésio também é usado para eliminar o enxofre do aço e ferro.

    *Aditivo em propelentes convencionais;

    *Obtenção de fundição nodular (Fe-Si-Mg).

    *Agente redutor na obtenção de urânio e outros metais a partir de seus sais;

    *O hidróxido ( leite de magnésia ), o cloreto, o sulfato ( sal de Epsom ) e o citrato são empregados em medicina, como laxante e antiácido;

    *O pó de carbonato de magnésio ( MgCO3 ) é utilizado por atletas como ginastas, alpinistas e levantadores de peso para eliminar o suor das mãos e segurar melhor os objetos;

    *Implante electrónico sem fio feito de um substrato de seda e uma bobina de magnésio que aumenta a temperatura do tecido apenas suficiente para matar as bactérias Staphylococcus aureus, e depois auto-dissolve no interior do corpo sem causar danos4 .

    *Outros usos incluem flashes fotográficos, pirotecnia, bombas incendiárias e granadas de luz ( flashbang).5

    O Mg também é encontrado em alimentos como vegetais e cereais. Recentes pesquisas indicam o Magnésio como responsável por retardar o envelhecimento celular, além de ser responsável por inúmeras funções metabólicas intracelulares.6

    Fonte: http://www.infoescola.com/elementos-quimicos/magnesio/ e http://www.tabelaperiodica.org/magnesio/ e http://pt.wikipedia.org/wiki/Magn%C3%A9sio#Aplica.C3.A7.C3.B5es

    Curtir

  14. Anne Caroline

    Anne Caroline- Telúrio

    Apresentação:

    Origem do Nome: Do latim “tellus” que significa Terra.
    É um semi-metal prateado, facilmente reduzido a pó e queima ao ar formado o TeO2 branco. Não reage com HCl mas é atacado pelo HNO3 e H2SO4. Também é encontrado na forma de pó amorfo cinza escuro.
    O telúrio é um elemento relativamente raro, pertence a mesma família química do oxigênio, enxofre, selênio, e polônio, todos denominados calcogênios.
    Quando cristalino, o telúrio é branco-prateado, e quando na forma pura apresenta um brilho metálico. É um semi-metal (metalóide), frágil e facilmente pulverizável. O telúrio amorfo pode ser obtido por precipitação de uma solução de ácido teluroso ou ácido telúrico. Entretanto, existe algumas controvérsias quanto ao fato deste telúrio ser realmente amorfo ou constituído de minúsculos cristais. O telúrio é um semicondutor do tipo que demonstra condutividade maior em determinadas direções, dependendo do alinhamento atômico.
    Relacionado quimicamente ao selênio ou ao enxofre, a condutividade do telúrio aumenta ligeiramente quando exposto a luz. Pode ser dopado com cobre, ouro, prata, estanho ou outros metais. O telúrio, quando queimado em presença do ar , produz uma chama azul esverdeada , e forma o dioxido de telúrio (TeO2) como produto. Quando fundido, o telúrio tem a capacidade de corroer o cobre, o ferro e o aço inoxidável.

    Propriedades

    Nome do Elemento: Telúrio
    Símbolo Químico: Te
    Número Atômico (Z): 52
    Peso Atômico: 127,6
    Grupo da Tabela: 16 (VIA)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6
    4d10 5s2 5p4 ou [Kr]4d 105s 25p4
    Classificação: Metalóide
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 6,24 (g/cm3)
    Ponto de Fusão (PF): 722,66 K
    Ponto de Ebulição (PE): 1261,0 K

    Histórico

    O Telúrio foi descoberto na Romênia, em 1782, por Frauz Joseph Muller Von Reichstein, em minérios de ouro.
    Em 1798, foi isolado por Klaproth, quem lhe deu o nome.
    O termo metalóide foi introduzido em 1802 por Erman e Simon, para indicar elementos que tinham propriedades físicas de um metal, mas propriedades químicas de um não-metal.
    Em 1811, J. J. Berzelius empregou o termo como sinônimo de não-metais, causando a confusão.
    Portanto, metalóides são elementos que tem propriedades químicas de não-metais e propriedades físicas de metais.
    O termo semi-metais também é aplicado a esses elementos.
    Metalóide não é sinônimo de não-metal, ou de ametal.

    Aplicação
    A maior parte do telúrio é usado em ligas com outros metais. É adicionado ao chumbo para aumentar a sua resistência mecânica, durabilidade e diminuir a ação corrosiva do ácido sulfúrico. Quando adicionado ao aço inoxidável e cobre torna estes materiais mais facilmente usináveis.
    Outros usos:
    • Em ferro fundido (ferro de molde) para o controle a frio.
    • Usado em cerâmicas. Adicionado a borracha aumenta a sua resistência ao calor e ao envelhecimento, e é usado como pigmento azul para colorir o vidro.
    • O telúrio coloidal tem ação fungicida, inseticida e germicida.
    • O telureto de bismuto apresenta uso em dispositivos termoelétricos.

    O telúrio também é usado em espoletas de explosivos e apresenta potenciais aplicações em painéis solares como telureto de cádmio. Apesar do aumento de algumas eficiências para a geração de energia elétrica a partir da energia solar tenha sido obtida com a utilização deste material, a sua aplicação não produziu um aumento significativo na demanda.
    Usado também em espoletas e em cerâmicas e vidros coloridos.

    Precauções
    Seres humanos expostos a atmosfera com 0.01 mg/m3 ou menos com telúrio adquirem um hálito desagradável e secura na boca. Intoxicações mais elevadas causam dores de cabeça, vertigens e sonolência. O telúrio e seus compostos devem ser considerados tóxicos e, portanto, devem ser manuseados com cuidado.

    Curtir

  15. Apresentação:

    Origem do Nome: Nome derivado de Índigo (azul) que é a cor de uma linha brilhante em seu espectro.
    O índio é um metal macio, dúctil, prateado e de brilho intenso; é mais macio que o ferro e pertence ao grupo 13 da tabela periódica.
    Quando o metal é dobrado emite um som característico.
    Seu estado de oxidação mais característico é o +3, ainda que apresente o estado +1 em alguns compostos.
    O índio é encontrado em quantidades traço em minérios de ferro, chumbo e cobre.
    De forma mais frequente, está associado a minerais de zinco, mas é encontrado também em minérios de ferro, chumbo e cobre.
    Estima-se que seja tão abundante quanto à prata.

    Propriedades

    Nome do Elemento: Índio
    Símbolo Químico: In
    Número Atômico (Z): 49
    Peso Atômico: 114,818
    Grupo da Tabela: 13 (IIIA)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 4d10 5s2 5p1
    Classificação: Metal de Transição
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 7,31 (g/cm3)
    Ponto de Fusão (PF): 429,75 K
    Ponto de Ebulição (PE): 2345,0 K

    Histórico

    O elemento foi descoberto em 1863, por Ferdinand Reich e Theodor Richter, por espectroscopia em minério de zinco e posteriormente isolado.

    Aplicação
    Em ligas de baixo ponto de fusão, como as usadas em mancais de rolamento.
    Em transistores de germânio, retificadores, termistores, fotocondutores.
    Pode ser depositado em metais ou evaporado em vidros, formando um espelho tão refletor quanto ao de prata, mas com melhor resistência à corrosão.
    Foi empregado durante a Segunda Guerra Mundial como revestimento em motores de alto rendimento de aviões. Depois da guerra foi destinado a novas aplicações: em ligas metálicas, em soldas e na indústria eletrônica.
    Nos anos 80 despertou o seu interesse no uso de fosfatos de índio semicondutores e películas delgadas de óxidos de índio e estanho para e desenvolvimento de telas de cristais líquidos (LCD).
    Precauções
    Embora haja suspeitas de que o índio possa causar malefícios aos seres humanos, sua toxicidade é considerada baixa. Até porque, trabalhadores da indústria de semicondutores e em soldas não apresentam efeitos colaterais noticiáveis, mesmo apresentando alta exposição com o metal.

    Curtir

  16. SODIO
    O Sódio é um metal prateado e branco, de textura macia e brilhante, capaz de, em contato com a água, decompô-la e dar origem a um hidróxido, liberando oxigênio sob violenta reação. Foi descoberto por volta de 1807 por Humphry Davy, em meio aos seus estudos sobre eletrólise que é a passagem de corrente elétrica, e também por seu comportamento em meios às substâncias alcalinas como, por exemplo, a soda caustica (NaOH). O nome sódio é originário do latim “soda”, nome de uma planta medicinal para dores de cabeça na qual pode se extrair o carbonato de sódio, o Na deriva da língua latina corrente do nome do elemento carbonato de sódio do grego Natrium=Na.
    Existe sódio em abundancia pelo universo e pelo cosmo as linhas de sódio são as mais visíveis no espectro solar. Sua porcentagem na crosta terrestre é de 2,6%. É comum encontra o sódio na natureza em forma do mineral do cloreto de sódio.
    A obtenção do sódio e por meio da eletrólise do cloreto de sódio misturado recebendo doses de cloreto de cálcio para tentar diminuir o ponto de fusão.
    O sódio ganhou lugar na tabela periódica entre os metais alcalinos, cuja numero atômica é 11 e o numero da massa 22,98 para ser exato. Seu peso específico é 0,968 g/ cm³ e seu ponto de fusão foi localizados em aproximadamente 97,72ºC.
    Símbolo: Na
    Massa molar: 22,9898 g/mol
    Fórmula: Na
    Número atômico: 11
    Massa atômica: 22,989769 ± 0,00000002 u
    Série química: Configuração eletrônica: Ne 3s1
    Metal, Elemento do 3º Período, Metal alcalino.

    Curtir

  17. Igor Hisashi Oshiro Braz

    Zircônio

    O Zircônio, elemento químico de símbolo Zr e número atômico 40 que está situado na Tabela Periódica na família 4 ou 4B, sendo, portanto, um elemento de transição. O zircônio tem a cor acinzentado e brilhante.
    O nome zircônio vem do árabe “zargum”, que significa “cor dourada”, porque Klaproth descobriu esse elemento a partir do minério zircão (ZnSiO4), que possui cor de ouro.
    O zircônio como óxido foi descoberto em 1789 em Berlim, Alemanha, pelo químico alemão Martin Heinrich Klaproth (1743-1817). Em 1824, o químico sueco Jons Jacob Berzelius (1779-1848) isolou pela primeira vez o metal, pelo aquecimento do fluoreto com potássio.
    Na natureza não é encontrado em estado elementar, sendo encontrado somente na forma de minérios. Os mais comuns são o zircão ZrSiO4 (silicato de zircônio) e o baddeleyite ZrO2(óxido de zircônio) entre outros minérios.
    O metal é obtido principalmente de uma cloração redutiva através do processo denominado Kroll : primeiro se prepara o cloreto para depois reduzi-lo com magnésio.
    Num processo semi-industrial pode-se realizar a eletrólise de sais fundidos, obtendo-se o zircônio em pó que pode ser utilizado, posteriormente, em pulvimetalurgia.
    Para a obtenção do metal com maior pureza segue-se o Processo Van Arkel-de Boer, baseado na dissociação do iodeto de zircônio, obtendo-se uma esponja de zircônio metálico denominada crystal-bar.
    Alguns tipos de estrelas contêm zircônio em abundância e sua presença foi verificada também no sol e em alguns meteoritos.
    Quimicamente o zircônio é um metal semelhante ao titânio apresentando propriedades de resistência a corrosão, não é atacado pela maioria dos ácidos, somente sendo atacado por ácido fluorídrico a qualquer concentração. A resistência do metal a corrosão se deve a camada de óxido inerte que é formada logo que este é exposto ao ar atmosférico, em forma de pó inflama-se em contato com o ar.
    O zircônio tem uma baixa absorção de nêutrons e, por isso, é usado em reatores nucleares, no revestimento do combustível por exemplo. Esta aplicação representa a maior parte do uso comercial do zircônio metálico.
    É usado na indústria química como anticorrosivo, para remover oxigênio de válvulas eletrônicas, em ligas de aço, em lâmpadas de flash, em explosivos, etc.
    Os óxidos são usados em cadinhos de fundição, tijolos, cerâmica e abrasivos.

    Nome do Elemento: Zircônio
    Símbolo Químico: Zr
    Número Atômico (Z): 40
    Peso Atômico: 91,224
    Grupo da Tabela: 4 (IVB)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 4d2 5s2
    Classificação: Metal de Transição
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 6,511 (g/cm3)
    Ponto de Fusão (PF): 2128,0 K
    Ponto de Ebulição (PE): 4682,0 K

    Curtir

  18. Larissa Lima de Almeida (nº 26)

    POLÔNIO
    Imagine um veneno capaz de matar um adulto com uma dose de apenas 1 micrograma. Pior ainda: com apenas 1 grama desse material, um terrorista seria capaz de matar 10 milhões de pessoas. Pode parecer mentira, mas esse “veneno” existe naturalmente em nosso planeta e a sua descoberta se cruza com a história da radioatividade.

    Polônio é o nome dado ao elemento químico de símbolo “Po”, cujo número atômico é 84 e a massa atômica é 209 u. Dentro da tabela periódica, está posicionado entre os semimetais, e na natureza encontra-se em estado sólido. Seu nome é uma referência ao país Polônia, terra natal de Marie Curie, que trabalhando em conjunto com seu marido, Pierre, isolou pela primeira vez o elemento em 1898. A descoberta desses elementos químicos rendeu à Marie Curie o Prêmio Nobel de Química em 1911. Ela ganhou também o Prêmio Nobel de Física em 1913.

    O polônio foi descoberto a partir da análise radioquímica da pechblenda (minério de urânio). Ao remover o urânio e o tório do minério, a pechblenda se tornava ainda mais radioativa, apresentando-se como um elemento químico diferente, ainda não conhecido.
    Trata-se de um metal muito raro, pois sua proporção na crosta terrestre é de cerca de uma parte em 1010, além do que, este ocorre na natureza como produto de decomposição radioativa do urânio, do tório e do actínio. As meias-vidas de seus isótopos variam de uma fração de segundo a 103 anos. O isótopo natural mais comum do polônio, o polônio 210, tem meia vida de 138,4 dias.
    Elemento radioativo, o polônio possui características que o tornam perfeito para ser usado em crimes de envenenamento. Por ser um emissor de partículas alfa, a radiação do elemento possui curto alcance, sendo incapaz de atravessar paredes. A radiação do polônio pode até mesmo ser interrompida por uma folha de papel ou pela camada de células mortas da nossa pele, o que torna o elemento muito fácil de ser transportado, podendo ser levado, inclusive, em um pequeno pote de vidro bem fechado. Tanto que ele foi usado como veneno em 2006 para matar o ex-espião russo da KGB, Alexander Litvinenko. Mas como benefício ele foi a fonte radioativa usada no Experimento de Rutherford, que resultou na descoberta da estrutura atômica e em um novo modelo atômico.
    Na crosta terrestre, a abundância desse elemento é de 2. 10-10 mg/kg; já no mar, a sua abundância é de 1,510 -14mg/L.

    Curtir

  19. Julia Lanci Rodrigues

    HIDROGÊNIO
    Nome do Elemento: Hidrogênio
    Símbolo Químico: H
    Número Atômico (Z): 1
    Massa Atômica: 1,00794
    Grupo da Tabela: 1 (IA)
    Configuração Eletrônica: 1s1
    Classificação: Não Metal
    Estado Físico: Gasoso (T=298K)
    Densidade: 0,0000899 g/cm3
    Ponto de Fusão (PF): 14,025 K
    Ponto de Ebulição (PE): 20,268 K

    INFORMAÇÕES GERAIS
    O hidrogênio é um gás incolor, inodoro, insípido e altamente inflamável. Apesar de possuir a mesma configuração do elétron de valência dos elementos do grupo 1, ns1, é um não metal. Tem alguma semelhança com os metais alcalinos, mas não está associado a nenhum grupo da tabela periódica.

    ORIGEM DO NOME
    Cavendish investigou a matéria formada e provou que a água era um composto de oxigênio e hidrogênio. De hydor + gen, que significa gerador de água.

    HISTÓRICO
    1670 – Robert Boyle produziu um “gás inflamável”, reagindo alguns metais com ácido.

    1766 – Henry Cavendish, químico e físico Inglês foi quem primeiro isolou e estudou as propriedades físicas do hidrogênio. Observando que este explodia quando aquecido em contato com o ar, chamou-o, “gás inflamável”, de “ar inflamável”.

    1783 – Antoine Lavoisier, químico Francês, repete a experiência de Cavendish e chama o gás resultante de hidrogênio.

    1906 – J. J. Thomson demonstrou que o átomo de hidrogênio possui um elétron apenas.

    DISPONIBILIDADE
    É o elemento mais abundante no universo. Todos os demais foram formados a partir dele ou de outros elementos que o hidrogênio formou. Estima-se que o hidrogênio representa cerca de 90% dos átomos do universo e 75% da sua massa. Mas não é tão abundante no planeta Terra (aprox. 0,9%)
    Na natureza, ele é encontrado de três formas isotópicas, isto é, que contém a mesma quantidade de prótons, mas se diferencia pela quantidade de nêutrons, que são: o hidrogênio, deutério e trítio (radioativo):

    APLICAÇÕES
    Produção de amônia (processo Haber), hidrogenação de óleos e gorduras comestíveis, produção de metanol, redução de minerais metálicos, soldas, remoção de enxofre de óleo combustível e gasolina, análises químicas, fabricação de semicondutores, tratamento térmico de metais, combustível para foguetes, células de combustível, etc.

    É o gás de menor massa específica e, por isso, foi muito usado em balões e dirigíveis até certa época. Mas é perigoso por ser bastante inflamável. O histórico incêndio do dirigível alemão Hindenburg em 1937, que marcou o fim da era desse tipo de transporte, é o exemplo clássico, embora alguns estudiosos digam que outros materiais inflamáveis contribuíram para a tragédia, além dos cerca de 212000 metros cúbicos de hidrogênio que o artefato continha.

    O seu ponto de ebulição é cerca de 20°C acima do zero absoluto e, assim, tem importantes aplicações em criogenia.
    Poder calorífico de um combustível é a quantidade de calor, por unidade de massa, gerada pela queima do mesmo. Veja a comparação do hidrogênio com alguns combustíveis comuns (em Kcal/kg).

    Combustível Poder Calorífico (Kcal/kg)
    Hidrogênio 34500
    Propano 11950
    Gasolina 11000
    Querosene 10800
    Óleo Diesel 10600
    Álcool 7200

    Por ser o combustível de maior poder calorífico, é usado em foguetes espaciais, onde o fator peso é decisivo. Mas exige uma tecnologia sofisticada, pois é extremamente inflamável, vaza com facilidade e a armazenagem em grandes quantidades no estado líquido é problemática.
    O hidrogênio e o futuro

    Alguns dizem que o hidrogênio é o combustível do futuro. Além do alto poder calorífico, o produto da combustão é água, não poluente portanto. Ao contrário do petróleo, gás natural, carvão, madeira e outros, ele não é encontrado de forma livre. É preciso energia para produzi-lo. Nesta forma, a energia que ele pode fornecer não pode ser maior do que a energia gasta na produção. Assim, os meios de produção devem usar fontes limpas de energia para não prejudicar o aspecto ambiental.

    Curtir

  20. Mariane Pires (30)

    GERMÂNIO

    O germânio é considerado um metal: Ocupando a terceira posição do grupo 14, possui número atômico igual a 32.
    Ele é sólido, duro, de brilho intenso e sua coloração é branco-acinzentada.
    Apresenta estrutura cristalina semelhante ao do diamante. Caracteriza-se como um semicondutor, pode ser considerado um bom condutor de calor. A forma mais comum de obtenção de germânio metálico é através da extração via fusão fracionada. Os minérios mais ricos em germânio são a germanita, a argirodita e a ranierita.
    Alguns compostos de germânio são tóxicos aos seres humanos mas, em níveis controlados, a exposição pode ser feita com uso de EPIs (equipamentos de proteção individual) simples. São, porém, letais a alguns microrganismos (bactérias).

    Curtir

  21. Daniele Aleandre Cirillo

    Ouro

    Descoberta:

    O ouro é conhecido desde a Antiguidade: há evidências na Bíblia Sagrada e em hieróglifos escritos no Egito por volta do ano 2 600 a.C., portanto não existe nenhum responsável unânime pela sua descoberta.

    CARACTERÍSTICAS:

    Informações gerais:
    Nome, símbolo, número: Ouro, Au, 79
    Série química: metal de transição
    Grupo, período, bloco: 11(IB), 6, d
    Densidade, dureza: 19300 kg/m3, 2,5

    Propriedade atómicas:
    Massa atômica: 196,966569(4) u
    Raio atómico: 174 pm
    Raio covalente: 144 pm
    Raio de Van der Waals: 166 pm
    Configuração eletrónica: [Xe] 4f14 5d10 6s1
    Elétrons (por nível de energia): 2, 8, 18, 32, 18, 1
    Estado(s) de oxidação: 3, 1
    Estrutura cristalina: cúbico de faces centradas

    Propriedades físicas:
    Estado da matéria: sólido
    Ponto de fusão: 1337,33 K
    Ponto de ebulição: 3129 K
    Calor específico: 128 J/(kg·K)
    Condutividade elétrica: 45,2×106/m Ω S/m
    Condutividade térmica : 317 W/(m·K)

    Aplicações:

    O ouro é amplamente utilizado na confecção de jóias (anéis, relógios, colares), medalhas, circuitos eletrônicos, moedas e até é submetido à modificação química para ser comestível (como visto em alguns doces e guloseimas refinadas).

    Além do símbolo de ostentação, o Ouro (a forma de isótopo Au 198) é utilizado no tratamento de cânceres, nos processos de fotografia (como ácido cloroáurico) ou como revestimento de satélites por ser ótimo refletor de radiação infravermelha.

    Para a determinação da pureza de uma liga de ouro, basta dividir sua classificação em quilates por 24 e multiplicar por 100, ou seja, um anel de 10 g de liga com 12 quilates possui 50% de sua massa constituída por Ouro (5 g).

    Curiosidades Sobre O Ouro:

    Em seu estado puro o ouro é mole, e por isso é geralmente endurecido formando uma liga metálica com cobre e prata. O Quilate (K) é a medida da pureza do ouro. Um ouro de 24K é considerado 100% puro, enquanto o ouro 18K tem pureza de 75% e o de 14K tem 58% de ouro.

    A maior pepita de ouro encontrada até hoje pesava 70,8 quilos e foi encontrada na cidade de Victoria, Austrália, em 1869. Era bem maior do que essa na foto

    163 mil toneladas é o peso de todo o ouro encontrado no mundo desde 3.900 a.C. até hoje. Fundido, ele poderia caber em um prédio de 20 metros de altura.

    O ouro é o único metal que não oxida. Por suas propriedades físicas e químicas, ele é usado não apenas em jóias e na arte, mas também em aplicações industriais e médicas

    Curtir

  22. Daniele Alexandre Cirillo (N:13)

    Ouro

    Descoberta:

    O ouro é conhecido desde a Antiguidade: há evidências na Bíblia Sagrada e em hieróglifos escritos no Egito por volta do ano 2 600 a.C., portanto não existe nenhum responsável unânime pela sua descoberta.

    CARACTERÍSTICAS:

    Informações gerais:
    Nome, símbolo, número: Ouro, Au, 79
    Série química: metal de transição
    Grupo, período, bloco: 11(IB), 6, d
    Densidade, dureza: 19300 kg/m3, 2,5

    Propriedade atómicas:
    Massa atômica: 196,966569(4) u
    Raio atómico: 174 pm
    Raio covalente: 144 pm
    Raio de Van der Waals: 166 pm
    Configuração eletrónica: [Xe] 4f14 5d10 6s1
    Elétrons (por nível de energia): 2, 8, 18, 32, 18, 1
    Estado(s) de oxidação: 3, 1
    Estrutura cristalina: cúbico de faces centradas

    Propriedades físicas:
    Estado da matéria: sólido
    Ponto de fusão: 1337,33 K
    Ponto de ebulição: 3129 K
    Calor específico: 128 J/(kg·K)
    Condutividade elétrica: 45,2×106/m Ω S/m
    Condutividade térmica : 317 W/(m·K)

    Aplicações:

    O ouro é amplamente utilizado na confecção de jóias (anéis, relógios, colares), medalhas, circuitos eletrônicos, moedas e até é submetido à modificação química para ser comestível (como visto em alguns doces e guloseimas refinadas).

    Além do símbolo de ostentação, o Ouro (a forma de isótopo Au 198) é utilizado no tratamento de cânceres, nos processos de fotografia (como ácido cloroáurico) ou como revestimento de satélites por ser ótimo refletor de radiação infravermelha.

    Para a determinação da pureza de uma liga de ouro, basta dividir sua classificação em quilates por 24 e multiplicar por 100, ou seja, um anel de 10 g de liga com 12 quilates possui 50% de sua massa constituída por Ouro (5 g).

    Curiosidades Sobre O Ouro:

    Em seu estado puro o ouro é mole, e por isso é geralmente endurecido formando uma liga metálica com cobre e prata. O Quilate (K) é a medida da pureza do ouro. Um ouro de 24K é considerado 100% puro, enquanto o ouro 18K tem pureza de 75% e o de 14K tem 58% de ouro.

    A maior pepita de ouro encontrada até hoje pesava 70,8 quilos e foi encontrada na cidade de Victoria, Austrália, em 1869. Era bem maior do que essa na foto

    163 mil toneladas é o peso de todo o ouro encontrado no mundo desde 3.900 a.C. até hoje. Fundido, ele poderia caber em um prédio de 20 metros de altura.

    O ouro é o único metal que não oxida. Por suas propriedades físicas e químicas, ele é usado não apenas em jóias e na arte, mas também em aplicações industriais e médicas

    Curtir

  23. pedro emmanuel n35

    Estanho
    Numero atômico: 50
    Símbolo: Sn
    Massa atômica: 118.710(7)
    Configuração eletrônica: {Kr} 4d10 5s2 5p²
    Ponto de fusão: 2320c
    Ponto de ebulição: 26020c
    Densidade: 7.31g/cm3
    Quantidade Encontrada na Zona Terrestre: 2 ppm

    Minério de estanho
    É um elemento químico conhecido pelo homem desde as primeiras civilizações existentes, os Fenícios usavam em diversos utensílios e armas, é o mais antigo metal conhecido pelo homem é usado desde 3500 a.C. Os Fenícios, que foram um dos primeiros povos a utilizá-lo, também tiveram, em grande parte o trabalho de “dilvulga-lo” e o espalhou através de suas rotas para diversas outras áreas e povos.
    O estanho pertence a classe dos metais,no quinto período da tabela periódica na família 4a na 14 fileira. Por sua maleavidade, boa condução energética, entre outros atributos, o estanho é usado em diversos produtos, desde a construção de tubos e válvulas (em sua forma pura) até em bebidas e creme de barbear. Não tóxico, mas tem propriedades tóxicas.

    Curtir

  24. Kaio Wesley

    Kaio Wesley n°24

    Cálcio

    O metal cálcio pertencente a família 2A da tabela periódica, é um metal alcalino terroso, de cor branca prateado. Foi isolado pela primeira vez pelo químico britânico Humphry Davy no ano de 1808, mediante eletrólise. Devido o metal em estado puro ser altamente reativo em contato com o ar atmosférico forma o óxido de cálcio, que seguido de hidratação concede a base hidróxido de cálcio.

    O cálcio tema ampla utilização industrial principalmente na forma de carbonatos e fluoretos, como é comumente encontrado na natureza. Devido a sua alta reatividade o cálcio não é encontrado em forma pura devendo para uso em laboratório ser isolado por processos químicos. É utilizado na construção sob o nome de Cal virgem ou Cal viva como componente em reboco. Está presente nos ossos dos animais, nos laticínios e dissolvido em águas subterrâneas.
    É utilizado como insumo da produção agrícola na forma de carbonato de cálcio popularmente conhecido como calcário, que por ser um sal alcalino é utilizado na correção do pH do solo, e como fertilizante na forma de sulfato e fosfato de cálcio. É também usado na indústria em sínteses de obtenção e purificação de outros metais.

    Informações Importantes sobre o Cálcio
    • Símbolo: Ca
    • Número de oxidação: Ca²+
    • Massa Atômica: 40 u
    • Número atômico: 20
    • Ponto de Fusão: 842°C
    • Ponto de Ebulição:1484°C
    • Configuração Eletrônica: 1s², 2s², 2p6,3s²,3p6,4s²
    • Formas Naturais: carbonatos, bicarbonatos e fluoretos

    O cálcio em análise qualitativa
    Este elemento é pertencente ao quarto grupo de cátions, e tem como reagente o Carbonato de Amônio, que quando adicionado a uma solução contendo íons cálcio ocorre a formação de um precipitado branco de carbonato de cálcio, e com a adição de íons sulfato obtém-se um precipitado branco de sulfato de cálcio e compostos que contém o elemento confere uma coloração vermelho amarelada para a chama do bunsen.

    Curtir

  25. pedro emmanuel n35

    continuação

    O estanho liga-se a quase todos os outros metais. E a sua utilização em chapas, o seu baixo ponto de fusão, facilitando revestir outros metais contra a oxidação, entre outros atributos o faz ser utilizado em diversas áreas (em metarlúgicas, por exemplo). O estanho e encontrado na natureza e existem duas formas de como e utilizado o estanho cinza (forma alfa) e o estanho branco (forma beta).

    Curtir

  26. Daniela Sirqueira n12

    Daniela Sirqueira – 12

    Fósforo

    Nome do Elemento: Fósforo (Phosphorus)
    Símbolo Químico: P
    Número Atômico (Z): 15
    Peso Atômico: 30,973762
    Grupo da Tabela: 15 (VA)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p3
    Classificação: Não Metal
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 1,823 g/cm3
    Ponto de Fusão (PF): 317,3 K
    Ponto de Ebulição (PE): 550,0 K

    Origem:

    Em 1669 o alemão Hennig Brand, em suas tentativas de transformar metais em ouro, descobriu acidentalmente o elemento ao estudar amostras de urina. O material que obteve brilhava e, por essa razão, Brand batizou a substância de Phosphorus, que quer dizer “aquele que traz a luz, que ilumina”. Apesar de já se conhecer elementos como ouro e prata, o fósforo foi a primeira descoberta científica de um elemento.

    Informações Gerais:

    O Fósforo foi descoberto pelo alquimista Henning Brand em 1669, na Alemanha. O nome tem origem do grego “phosphoros”, que significa “fonte de luz”, nome dado na antiguidade ao planeta Vênus, quando este aparecia antes do sol nascer. Em 1879, dois cientistas, Sidney Gilchrist Thomas e Percy Carlyle Gilchrist, descobriram um processo para a extração do elemento fósforo em trabalhos com ferro fundido.
    O fósforo se apresenta em várias formas alotrópicas: fósforo branco, que em contato com o ar fica amarelo, o fósforo vermelho e o fósforo preto (ou violeta).
    Devido à sua alta reatividade, o fósforo não é encontrado livre na natureza. As mais importantes fontes do elemento são as diversas variedades de rochas fosfatadas, encontradas na crosta terrestre.
    O seu principal mineral é a Apatita – Ca5(F, Cl, OH) (PO4)3. O maior depósito de apatita do mundo está localizado na península de Kola, próximo a Kirovsky, na Rússia.
    O fósforo é um elemento essencial aos organismos vivo, presente em tecidos nervosos, dentes e ossos dos seres humanos.

    Disponibilidade:

    O fósforo é o 12º elemento em abundância na crosta terrestre, representando aproximadamente 0,12%. Devido à alta reatividade não ocorre livre na natureza, sendo comum encontrá-lo na forma de fosfatos em rochas que se dissolvem com a chuva sendo levados até os rios e mares.
    Marrocos é o país que possui a maior porcentagem de fósforo com 32% de reservas mundiais de rochas concentradas – uma espécie de Amazônia para o Marrocos.

    Curiosidades

    • A expressão “palito de fósforo” é muito usada e é a culpada pela ideia errada de que na pontinha vermelha dos palitos de madeira, haveria fósforo. O elemento fósforo (P) não está presente nos palitos e sim na caixinha.
    A pontinha vermelha do fósforo é uma combinação de compostos químicos, predominantemente, KClO3, clorato de potássio alem de substâncias alúmen e K2Cr2O7 (cromo hexavalente), a presença do Cromo é responsável pela coloração vermelha.
    A superfície áspera das caixas de fósforo é um combinado de fósforo, sulfeto de antimônio, Sb2S3, trióxido de ferro, Fe2O3 e goma arábica (cola).
    Então por que esta denominação “palito de fósforo”, se o palito não possui fósforo? A denominação é histórica, os primeiros palitos de fósforo possuíam fósforo em suas cabeças. Porem os palitos ao se “esfregarem” uns com os outros, incendiavam a caixa. Então revolveram colocar o fósforo do lado de fora da caixa, e o nome continuou o mesmo.
    • As bombas de efeito moral usadas pela policia ao redor do mundo contêm fósforo
    • O fosfato monocálcio e usado em pó de confeite para bolos e outros em padarias e confeitarias

    Curtir

  27. José Paulo Xavier de Oliveira

    URÂNIO

    Apresentação:
    Origem do Nome: Deriva do planeta Urânio.
    É um metal pesado, branco prateado, pirofórico quando em pó. Atacado por ácidos e resistente a bases. Seu isótopo de meia vida mais estável é o U-238 com meia vida de 4.51 x 109 anos. O urânio natural é fracamente radioativo.
    O urânio é o último elemento químico natural da tabela periódica. É o átomo com o núcleo mais pesado que existe naturalmente na Terra: contem 92 prótons e 135 a 148 nêutrons. Quando puro, é um sólido, metálico e radioativo, muito duro e denso, de aspecto cinza à branco prateado, muito semelhante a coloração do níquel.

    Propriedades:

    Nome do Elemento: Urânio
    Símbolo Químico: U
    Número Atômico (Z): 92
    Peso Atômico: 238
    Grupo da Tabela: 3B (VIA)
    Configuração Eletrônica: 1s2, 2s2, 2p6, 3s2, 3p6, 4s2, 3d10, 4p6, 5s2, 4d10, 5p6, 6s2, 4f14, 5d10, 6p6 5f36d17s2 ou [Rn]5f36d17s2
    Classificação: Metal
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 18950 kg m-3
    Ponto de Fusão (PF): 1406 K
    Ponto de Ebulição (PE): 4018 K

    Histórico
    Foi descoberto por M.H. Klaproth em 1789 em Berlim e isolado por E.M. Peligot em Paris em 1842, por redução do tetracloreto de urânio anidro (UCl4) com potássio.
    Atualmente é obtido pela redução dos haletos com metais alcalinos. Também pode ser obtido pela redução do U3O8 com Ca, Al ou carbono.
    Aplicação
    Antes do advento da energia nuclear, o urânio tinha um leque de aplicações muito reduzido.
    Era utilizado em fotografia e nas indústrias de cabedal (fabricação de peças de couro e sola) e de madeira.
    Os seus compostos usavam-se como corantes e mordentes (fixadores de cor) para a seda e a lã.
    No entanto, a aplicação mais importante do urânio é a energética. Com este fim, utilizam-se apenas três isótopos do elemento (U-234, U-235 e U-238), com mecanismos de reação ligeiramente diferentes, embora o mais utilizado seja o U-235.
    Na produção de energia nuclear há uma reação de fissão auto-sustentada, que ocorre em um reator, normalmente imerso num tanque com uma substância moderadora e refrigerante – água. A água é aquecida e vaporizada pelo reator, passando em seguida por turbinas que acionam geradores, para assim produzir energia elétrica.
    Os reatores nucleares de fissão podem ser bastante compactos, sendo utilizados na propulsão de submarinos, navios de guerra e em algumas sondas espaciais como as dos programas das sondas Cassini-Huygens, Voyager e Pioneer, podendo utilizar outros radioisótopos como o Plutônio-239 em seus reatores de energia.
    Por suas combinações de alta dureza, alta densidade específica (17,3 g/cm3) e alto ponto de fusão (1132 ºC), o Urânio também é utilizado na fabricação de projéteis de armas de fogo onde normalmente utiliza-se o chumbo, cujas características são: densidade específica de 11,3 g/cm3, baixa temperatura de fusão (327 ºC) e baixa dureza (1,5 na escala de Mohs).
    A utilização do Urânio em projéteis de armas de fogo apresentam grandes vantagens técnicas em relação ao Chumbo, mas expõe os soldados a um nível elevado de radiação.

    Precauções
    O urânio produz envenenamento de baixa intensidade (inalação, ou absorção pela pele), produzindo também efeitos colaterais, tais como: náusea, dor de cabeça, vômito, diarreia e queimaduras. Atinge o sistema linfático, sangue, ossos, rins e fígado. Seu efeito no organismo é cumulativo (o que significa que o mineral, por não ser reconhecido pelo ser vivo, não é eliminado, sendo paulatinamente depositado, sobretudo nos ossos), e a radiação assim exposta pode provocar o desenvolvimento de cânceres.
    Para os trabalhadores das minas, são frequentes os casos de câncer no pulmão.
    O uso de urânio empobrecido também é apontado como a possível causa da síndrome da Guerra do Golfo causando uma série de doenças registradas em soldados americanos e britânicos que lutaram contra a invasão do Kuwait pelo Iraque em 1991. Mais de dez mil veteranos daquela guerra tiveram doenças misteriosas.

    Curtir

  28. Mariana Netto Baltazar

    Mariana Netto Baltazar – Nº29

    Argônio

    Nome: Argônio
    Número Atômico: 18
    Símbolo Químico: Ar
    Massa atômica: 39,948
    Configuração Eletrônica: [Ne]3s23p6
    Substância Elementar mais comum : Ar
    Classe de Substâncias Elementares : Não Metal, Gás Nobre
    Origem : Natural
    Estado Físico : Gás
    Ponto de Fusão : 84 K
    Ponto de Ebulição : 87 K

    O argônio foi o primeiro dos gases inertes a ser descoberto na Terra.
    Em 1785 Cavendish misturou ar com excesso de oxigênio e efetuou descargas elétricas na mistura sobre hidróxido de potássio. Por este processo, converteu o nitrogênio do ar em nitrato de potássio. Seguidamente retirou o excesso de oxigênio, mas ainda restava uma pequena quantidade de gás, não maior do que 1/120 do volume original de ar. Considerou que esta diferença tinha sido provocada por erros experimentais.
    Quase 100 anos depois, em 1894, Lord Rayleigh fez uma série de medições da densidade do nitrogênio proveniente de várias fontes. Verificou que a densidade do nitrogênio do ar era sempre maior que a densidade do nitrogênio proveniente de compostos de nitrogênio. Ora, esta diferença era muito grande para ser considerada erro experimental, concluindo, portanto, que a atmosfera tinha que conter uma substância inerte mais pesada que o nitrogênio.
    Lord Rayleigh, trabalhando com Ramsay, repetiu a experiência de Cavendish, mas removendo o nitrogênio com magnésio aquecido. O resíduo revelou um espectro desconhecido, e, assim, foi mostrado que este novo gás não estava combinado com o nitrogênio. Foi chamado argônio (da palavra grega para “inativo”).
    O argônio encontra-se na Natureza, a proporção no ar é aproximadamente constante, no entanto, por cima do mar esta proporção é um pouco superior.
    O argônio é mais solúvel em água do que o nitrogênio. Logo, a sua proporção em ar líquido é maior do que na atmosfera. O argônio foi também descoberto no gás natural e em alguns minerais. Ocorre sempre associado ao nitrogênio.
    É estimado que o argônio seja o 12° elemento químico mais abundante no universo. O Planeta Terra dispõe de 1,29% do peso atmosférico. O gás é obtido por meio da destilação fracionada do ar líquido, onde é encontrado numa proporção de aproximadamente 0,94%,

    É usado no enchimento das lâmpadas elétricas, nas lâmpadas fluorescentes, em contadores Geiger, lasers e como gás inerte para soldadura.

    Curtir

  29. Esther de Souza

    Bromo

    https://www.google.com.br/search?q=imagem+do+elemento+qu%C3%ADmico+bromo&espv=2&biw=1600&bih=809&tbm=isch&imgil=uU6HXRtM_trahM%253A%253BP2wTRWdJ_C62TM%253Bhttp%25253A%25252F%25252Fwww.quimlab.com.br%25252Fguiadoselementos%25252Fbromo.htm&source=iu&pf=m&fir=uU6HXRtM_trahM%253A%252CP2wTRWdJ_C62TM%252C_&usg=__2gQx-UiPygJnwOm2y1D2KkJ1ONs%3D&ved=0CDkQyjc&ei=DNNPVajdF8X-gwTAwYGYDg#imgrc=uU6HXRtM_trahM%253A%3BP2wTRWdJ_C62TM%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.quimlab.com.br%252Fguiadoselementos%252Fbromo%252Fbromo3.jpg%3Bhttp%253A%252F%252Fwww.quimlab.com.br%252Fguiadoselementos%252Fbromo.htm%3B512%3B520

    Características
    O bromo (Br) é um elemento químico líquido, não metálico pertencente ao grupo dos halogéneos, de cor vermelho-acastanhada, que se localiza no grupo 17 e período 4 da Tabela Periódica.
    Possui número atómico 35 e massa atómica aproximadamente 79,904.
    Foi descoberto em 1826 em Montpellier, França, pelo químico francês Antoine J. Balard na água do mar e em Heidelberg pelo químico K. Lowig.
    Ponto de fusão: 266 K (-7,2 °C)
    Ponto de ebulição: 332 K (58,8 °C)

    Propriedades
    O elemento pertence ao grupo dos não metais halogênios, sendo o único líquido na temperatura ambiente.
    É um líquido pesado, de boa fluidez, marrom avermelhado. É volátil na temperatura ambiente, produzindo um vapor de odor bastante desagradável. Facilmente solúvel em água e em dissulfeto de carbono.
    Quimicamente menos ativo que o cloro e mais que o iodo. Combina-se facilmente com muitos elementos e tem uma ação branqueadora.
    Seus vapores são irritantes para os olhos e garganta. Em contato com a pele, causa ferimentos dolorosos. É perigoso para a saúde e as melhores precauções de segurança devem ser tomadas para o manuseio (concentrações de vapores na faixa de 10 ppm são consideradas perigosas).

    Disponibilidade
    É obtido a partir de águas salinas de fontes naturais, está geralmente em formato de sais (por isso o seu descobrimento nas salinas) e não em seu estado elementar.
    Nos oceanos, há a presença de 67 mg de Bromo/L, e sua extração comercial provém daí. Pode-se extrair o bromo da água do mar através da redução dos íons de bromo com cloro gasoso:
    2Br- + Cl2 → Br2 + 2Cl-

    Utilidades
    A maior aplicação do bromo é a produção de brometo de etileno, utilizado em combustíveis para motores, com o intuito de evitar a acumulação de chumbo no interior dos cilindros.
    Em menores quantidades, o elemento é utilizado como corante, ou ainda como agente branqueador e sanitário na purificação de águas.
    O brometo de césio usa-se no fabrico de prismas ópticos extremamente transparentes à radiação infravermelha.
    Todos os brometos de terras raras alcalinas encontram aplicação na indústria farmacêutica, devido à sua ação sedativa, e na indústria fotográfica, na preparação de emulsões de brometo de prata.

    Curiosidades
    É tão prejudicial a saúde que Admite-se como concentração máxima 1 ppm, numa exposição de 8 horas.

    Feito por:Esther de Souza n°16 e Larissa Lima n°26

    Curtir

  30. Ana Carolina

    Ana Carolina 03

    BELÍRIO

    Apresentação:
    Origem do Nome: Do grego “beryllos” que significa “beryl”
    É um metal cinza claro muito leve e resistente.
    O berílio apresenta um dos pontos de fusão mais altos entre os metais leves. A maleabilidade é aproximadamente 33% maior que a do aço.
    Tem uma grande condutividade térmica, não é magnético e resiste ao ataque do ácido nítrico.
    É bastante permeável aos raios X e, como o rádio e o polônio, libera neutrons quando é bombardeado com partículas alfa (na ordem de 30 neutrons por milhão de partículas alfa).
    Nas condições normais de pressão e temperatura o berílio resiste à oxidação com o ar, ainda que a propriedade de limitar a oxidação do cristal deva-se provavelmente à formação de uma delgada capa de óxido.
    Existem cerca de 30 tipos de minerais. Os mais importantes são: bertrandita (hidrossilicato de berílio), berilo (silicato de alumínio e berílio, 3BeO•Al2O3•6SiO2, pedra semipreciosa), crisoberilo (aluminato de berílio, pedra semipreciosa) e fenacita (silicato de berílio).
    O metal é produzido pela redução do fluoreto de berílio com magnésio metálico. Ele só se tornou disponível comercialmente em 1957.

    Propriedades
    Nome do Elemento: Berílio
    Símbolo Químico: Be
    Número Atômico (Z): 4
    Peso Atômico: 9,012182
    Grupo da Tabela: 2 (IIA)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2
    Classificação: Metal Alcalino Terroso
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 1,848 g/cm3
    Ponto de Fusão (PF): 1560,0 K
    Ponto de Ebulição (PE): 2742,0 K

    Histórico

    Descoberto por N.L. Vauquelin em 1797 pelo cientista Nicolas Louis Vanguelin em Paris no mineral berilo e em 1828 os pesquisadores Friedrich Wöhler e Alexandre Brutus Bussy, independentemente, obtiveram o berílio metálico pela redução do cloreto de berílio (BeCl2) com potássio (K).

    Aplicação
    Componente para ligas de cobre que são usadas em molas, contatos elétricos, eletrodos de solda e ferramentas não produtoras de centelhas. Material estrutural de várias partes de veículos espaciais e satélites. Usado em dispositivos que exigem leveza, rigidez e estabilidade dimensional, como instrumentos.
    Desde que apresenta transparência aos raios X, tem sido empregado em processos de litografia por raios X na produção de circuitos integrados. O óxido tem alto ponto de fusão e é usado em reatores nucleares e em cerâmicas especiais.
    Precauções
    O berílio é um elemento altamente tóxico, sendo que se a pessoa aspirar os seus sais, ela poderá sentir calafrios, febre e tosse dolorosa. Nos casos mais graves, ele pode causar inflamação nos pulmões, falta de ar e levar a uma doença que não tem cura, chamada de beriliose ou granulomatose pulmonar crônica, que pode levar à morte. Os que enfrentam maiores riscos de desenvolver essa doença são garimpeiros e lapidadores de água-marinha, berilo e esmeralda, bem como trabalhadores de indústrias que usam ligas de berílio.

    Curiosidades
    A utilização de compostos de berílio em lâmpadas fluorescentes foi interrompida em 1949. No entanto, a exposição profissional ocorre na indústria nuclear e aeroespacial, o que pode trazer vários problemas de saúde.

    Curtir

  31. Elaine Messias

    MOLIBDÊNIO

    Apresentação:
    Origem do Nome: Derivado do Grego Molybdos, que significa Chumbo
    O conceito foi usado amplamente no século XVIII para designar substâncias semelhantes ao chumbo em aparência; como o grafite e o mineral conhecido atualmente como molibidenita. Isso causava grande confusão entre os estudiosos da época.
    O Molibdênio é um metal prateado, duro, e é oxidado em temperaturas elevadas.
    O principal minério é a molibdenita (sulfeto de molibdênio). Existem outros de menor importância comercial.
    O metal puro é de coloração branco prateado e muito duro; além disso, tem um dos pontos de fusão mais altos entre todos os elementos puros.
    Em pequenas quantidades, é aplicado em diversas ligas metálicas de aço para endurece-lo e torná-lo resistente a corrosão.
    Por outro lado, o molibdênio é o único metal da segunda série de transição cuja essencialidade é reconhecida do ponto de vista biológico; é encontrado em algumas enzimas com diferentes funções, concretamente em oxotransferases (função de transferência de elétrons ), como por exemplo a xantina oxidase, e na nitrogenase (função de fixação de nitrogênio molecular).
    Propriedades
    Nome do Elemento: Molibdênio
    Símbolo Químico: Mo
    Número Atômico (Z): 42
    Peso Atômico: 95,94
    Grupo da Tabela: 6 (VIB)
    Configuração Eletrônica: 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 3d10 4s2 4p6 4d4 5s2
    Classificação: Metal de Transição
    Estado Físico: Sólido (T=298K)
    Densidade: 10,280 (g/cm3)
    Ponto de Fusão (PF): 2896,0 K
    Ponto de Ebulição (PE): 4912,0 K

    Histórico

    Em 1778 Scheele verificou que a molibdenita era um mineral de um novo elemento. Antes disso, era confundida com grafite ou minério de chumbo.
    Em 1782 De forma impura, foi separado pela primeira vez por Hjelm.
    Aplicação
    Aproximadamente dois terços do molibdênio consumido é empregado em ligas metálicas. O uso deste elemento remonta da Primeira Guerra Mundial, quando houve uma forte demanda de wolfrâmio, que começou a escassear, e havia necessidade de aços muito resistentes. O molibdênio passou a ser usado na produção de ligas de alta resistência, que suportassem bem temperaturas elevadas e resistissem à corrosão. Estas ligas são usadas na construção de peças para aviões e automóveis.
    O molibdênio é usado como catalisador na indústria petroquímica. É útil para a eliminação do enxofre.
    O 99Mo é empregado na indústria de isótopos nucleares.
    É empregado em diversos pigmentos (com coloração alaranjada) para pinturas, tintas , plásticos e compostos de borracha.
    O dissulfeto de molibdênio (MoS2 ) é um bom lubrificante e pode ser empregado em altas temperaturas.
    O molibdênio pode ser empregado em algumas aplicações eletrônicas, como nas telas de projeção do tipo TFT.
    Sulfeto de molibdênio é um lubrificante para altas temperaturas.
    É elemento essencial para a nutrição das plantas. Algumas regiões são estéreis por falta do elemento no solo.

    No corpo humano
    É um mineral que se faz presente em pequenas quantidades no organismo humano, é importante a presença desse nutriente porque ele participa de reações como co-fator de enzimas. Por exemplo, é necessária a presença de molibdênio para oxidar o enxofre que é um componente de proteínas.

    É rara a deficiência deste mineral no corpo, já que é facilmente encontrado nos alimentos, as fontes mais ricas são: leguminosos como o feijão, lentilhas e ervilhas, vegetais de folha verde-escura, vísceras, grãos de cereais.

    A deficiência de molibdênio pode acarretar em males como: Taquicardia, náusea, vômitos, falta de ar e até mesmo o coma.
    A Importância do molibdênio para a saúde:
    • Na prevenção e controle da cárie dentária
    • No tratamento da impotência sexual
    • Útil na prevenção e profilaxia de alguns tipos de anemia
    • Importante na oxidação de gordura
    • Importante a formação da xantina-oxidase, através da qual se forma o ácido úrico, que é um excelente antioxidante quando em níveis normais no sangue
    • Auxilia no metabolismo de carboidratos e gorduras
    • Age como desintoxicante e antioxidante no organismo

    O excesso de molibdênio no organismo está associado à:
    • Hipercolesterolemia
    • gota
    • hipoparatireoidismo
    • hipertensão
    • baixa relação entre estrógeno e progesterona quando há deficiência conjunta de cobre
    • perda de elasticidade de tendões
    • níveis elevados de ácido úrico

    Fontes alimentares do molibdênio:
    • Carnes, principalmente fígado e rins
    • grãos em geral
    • verduras
    • legumes
    • leite
    • alguns tipos de ervilhas

    Curtir

  32. Giovanna Cruz (41) - Etec Júlio de Mesquita

    PLATINA

    Platina é um elemento químico de número atômico 78(78 prótons e elétrons), situado no grupo 10 da tabela periódica dos elementos com massa atômica 195u. Seu símbolo é o Pt. É um metal de transição branco acinzentado, pesado, maleável e dúctil. É resistente à corrosão e é encontrado em diversos minerais, frequentemente junto com níquel e cobre (já que dificilmente é encontrada pura), além de estar distribuída de forma irregular na crosta terrestre (0,00005%). Podemos encontrar esses elementos nesses quatro estados: Sólido, Líquido, Pastoso e Gasoso.
    A platina é considerada um metal nobre, pois, mesmo que atacados por ácidos ou sais, não se oxidam, são raros na natureza e permanecem sempre puros. Os metais do grupo da platina são amplamente utilizados no campo da química, por causa de sua atividade catalítica e sua baixa reatividade. Platina é usada como catalisador, nas reações de hidrogenação, desidrogenação, isomerização, ciclização, desidratação, manchando e oxidação. Ela também é usada para a produção de fios muito finos.
    Em alguns lugares como África do Sul, a União Soviética e os Estados Unidos são muito ricos desse elemento. A platina diferente do mercúrio por exemplo não é muito perigoso, mas sais de platina podem causar vários efeitos sobre a saúde, tais como:
    • Alteração do ADN.
    • Câncer
    • Pele alérgica e reações nas mucosas
    • Danos a órgãos como o intestino, rins e medula óssea.
    • Danos à audição

    USOS E APLICAÇÕES:

    Platina é usada em múltiplos e aplicativos essenciais, enquanto novos usos para ela são constantemente desenvolvidos.

    • Jóias: muito utilizada em jóias já que possui uma coloração e brilho diferente.
    • Catalisadores para veículos: platina, paládio e ródio, são os principais componentes de catalisadores que reduzem as emissões dos veículos de gases tais como hidrocarbonetos, monóxido de carbono ou óxido de nitrogênio
    • Elétrica e eletrônica: platina é usada na produção de discos rígidos em computadores e cabos de fibra óptica
    • Química: é utilizado em fertilizantes e explosivos. Também usado na fabricação de Silicones para os setores aeroespacial, automotivo e construção. No sector da gasolina é usado como um aditivo de combustível para aumentar as emissões de combustão e do motor. Além disso, é um catalisador na produção de elementos biodegradáveis para detergentes domésticos.
    • Vidro
    • Óleo
    • Aplicações médicas: ela é usada em drogas contra o câncer e implantes. Ele também é usado em aparelhos de neurocirurgia e ligas para restaurações dentárias.
    • Velas de ignição.

    HISTÓRIA BREVE:
    Os povos andinos descobriram a platina e a utilizavam como substituto da prata. Foi conhecido pelos espanhóis, em 1735, quando o navegador, explorador e astrônomo espanhol Antonio de Ulloa chegou à América do Sul.
    CURIOSIDADES
    • Ela é encontrada em grande quantidade na crosta lunar!
    • O preço da grama da Platina em reais é de R$ 102
    • A platina é mais preciosa que o ouro e a prata
    • Elemento escasso

    Fontes:
    http://aparesido.com.br/compras/os-16-materiais-mais-caros-do-mundo
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Platina
    http://www.joia-e-arte.com.br/metal.htm
    http://pt.wiktionary.org/wiki/platina
    http://www.brasilescola.com/quimica/platina.htm
    http://www.infoescola.com/elementos-quimicos/platina/

    Curtir

  33. Andressa Anjos

    Andressa Anjos – N05

    Titânio
    O Titânio é um elemento químico de símbolo Ti, com massa atômica de 47,867 e número atômico 22. Está presente no 4o grupo da tabela periódica e é classificado um metal de transição.
    Este elemento está presente em meteoritos, no Sol e em outras estrelas. É considerado o nono elemento mais abundante na Terra.
    O nome deste elemento deriva de Titãs, que na mitologia grega eram filhos da deusa da Terra (Gaia) e do deus do Céu (Uranus), estes deuses eram considerados personificações da natureza na Terra.
    O elemento foi descoberto pela primeira vez em 1791, por Willian Justin Gregor, durante uma pesquisa sobre areia magnética (menachanite) conhecida como Ilmenita, durante um experimento ele acabou por produzir TiO2 em forma impura. Sven Otto Peterson e Lars Frederic Nilson Também Isolaram o material em sua forma impura.
    Em 1910, Matthew A. Hunter conseguiu pela primeira vez preparar o Titânio metálico puro, aquecendo tetracloreto de titânio (TiCI4)com sódio a 700-800C em um reator de aço. E por fim, em 1937, Guilherme Kroll, Siemens e Helska desenvolveram um processo que é utilizado até hoje na obtenção do material. O Titânio, durante seu processo, requer o consumo de energia 1,7 maior do que na produção de alumínio, por esse entre outros fatores é considerado um material caro.
    Por conta de sua resistência mecânica e térmica (suporta calor extremo, até 1200C), o Titânio tem sido cada vez mais usado na tecnologia espacial. O material também é utilizado em implantes dentários e próteses ósseas, pois sua característica leve (40% mais leve que o aço) proporciona maior conforto ao paciente.
    O dióxido de Titânio, pelo seu alto poder de fixação, é frequentemente usado na fabricação de tintas.

    Curtir

  34. Murilo Cypriano

    Cobre:

    O elemento de transição cobre é um metal de coloração vermelha discretamente amarelada, com um brilho levemente opaco de aspecto agradável, está localizado no grupo IB da tabela periódica, possui número atômico 29, massa atômica 63,55 g mol-, ponto de fusão de 1038°C, ponto de ebulição 2927ºC, é um metal macio, maleável e dúctil. O símbolo químico do metal é Cu, originado do latim “cuprum”, em alusão ilha do Chipre onde se acredita ter sido encontrado pela primeira vez.

    Minério de cobre

    É encontrado na natureza na forma de calcopirita CuFeS2, principalmente, existem outros, porém este apresenta um teor mais alto do metal, além de ser um dos metais que podem ser encontrados em estado elementar.

    Este é um dos metais mais antigos de que se tem conhecimento, em virtude da idade do bronze no período neolítico, onde o cobre passou a ser muito utilizado, pesquisadores afirmam que a mineração do cobre tenha se iniciado há cerca de 5.000 anos. Houve um tempo que o metal foi considerado raro e seu custo bastante elevado, depois que este começou a ser encontrado com frequência e seu custo diminuiu, até o momento em que se descobriu a sua extrema propriedade de conduzir calor e energia elétrica, e seu uso tornar-seindustrial, o valor aumentou consideravelmente, mas nada comparado ao ouro ou prata, apesar de ser considerado um metal nobre.

    Em contato com ar atmosférico por tempo prolongado o cobre sofre oxidação formando em sua superfície uma película tóxica oriunda de uma mistura de óxidos, hidróxidos e carbonatos, de cor verde comumente chamada de azinhavre.A utilização do cobre é bastante ampla sendo difundida em vários segmentos industriais.

    Entre eles temos:

    Utensílios de cozinha: tachos ciganos, panelas, bacias, talheres.Condutores elétricos: cabos de alta e baixa tensão, conectores, contatos elétricos em geral, fabricação de motores.Equipamentos: aquecedores solares, condutores de calor,tubulações de água.Ligas Metálicas: cobre e estanhoforma o bronze, cobre e zinco forma o latão e por fim cobre e ouro forma o ouro 18 quilates,por exemplo, estas são as ligas mais comuns e utilizadas mas existem inúmeras outras.

    Informações Importantes sobre o Cobre

    Quimicamente falando do cobre, ele forma diversos compostos sendo o principal o sulfato de cobre CuSO4· 5H2O, utilizado como algicida e agente conferidor de coloração azul para água de piscinas, esse sal em estado anidro é de coloração branca, porém, em contato com o ar da atmosfera absorve a água e adquire coloração por ser higroscópico. A purificação do metal pode ocorrer de duas formas através do aquecimento dos minérios em que ele se encontra ou ainda após o aquecimento, passar por eletrólisepara a obtenção de um maior grau de pureza. O cobre apresenta dois estados de oxidação Cu+ e Cu+2.

    Na análise qualitativa esse elemento pode ser identificado facilmente, com a adição de solução de hidróxido de sódio formando um precipitado gelatinoso de cor azul intensa, é importante também salientar que para análise qualitaiva somente Cu+2, tem importância. O metal pertence ao segundo grupo de cátions, e apresenta um potencial de eletrodo padrão positivo de 0,34 Volts, o que impossibilita que sofra ataque de ácidos diluídos (HNO3, H2SO4 e HCl), porém é atacado e dissolve-se em água- régia, além de se dissolver com facilidade em H2SO4 concentrado a quente.

    A reação do cobre em meio alcalino e com ácido sulfúrico:

    Além de formar os compostos acima mostrados através das reações, forma também compostos de coordenação, ou seja, forma íons complexos com amônio e com a água tais como:

    Tetraaminocuprato(II): [Cu(NH3)4]+2

    Tetraaquocuprato(II): [Cu(H2O)4]+2 (este complexo é resultado da hidratação do íon cobre, e responsável pela coloração azul intensa da solução.)

    Curtir

  35. Murilo Basso

    Murilo basso – 33
    Elemento – Cobre ( cu )
    O elemento de transição cobre é um metal de coloração vermelha discretamente amarelada, com um brilho levemente opaco de aspecto agradável, está localizado no grupo IB da tabela periódica, possui número atômico 29, massa atômica 63,55 g mol-, ponto de fusão de 1038°C, ponto de ebulição 2927ºC, é um metal macio, maleável e dúctil. O símbolo químico do metal é Cu, originado do latim “cuprum”, em alusão  ilha do Chipre onde se acredita ter sido encontrado pela primeira vez.

    Minério de cobre

    É encontrado na natureza na forma de calcopirita CuFeS2, principalmente, existem outros, porém este apresenta um teor mais alto do metal, além de ser um dos metais que podem ser encontrados em estado elementar.

    Este é um dos metais mais antigos de que se tem conhecimento, em virtude da idade do bronze no período neolítico, onde o cobre passou a ser muito utilizado, pesquisadores afirmam que a mineração do cobre tenha se iniciado há cerca de 5.000 anos. Houve um tempo que o metal foi considerado raro e seu custo bastante elevado, depois que este começou a ser encontrado com frequência e seu custo diminuiu, até o momento em que se descobriu a sua extrema propriedade de conduzir calor e energia elétrica, e seu uso tornar-seindustrial, o valor aumentou consideravelmente, mas nada comparado ao ouro ou prata, apesar de ser considerado um metal nobre.

    Em contato com ar atmosférico por tempo prolongado o cobre sofre oxidação formando em sua superfície uma película tóxica oriunda de uma mistura de óxidos, hidróxidos e carbonatos, de cor verde comumente chamada de azinhavre.A utilização do cobre é bastante ampla sendo difundida em vários segmentos industriais.

    Entre eles temos:

    Utensílios de cozinha: tachos ciganos, panelas, bacias, talheres.Condutores elétricos: cabos de alta e baixa tensão, conectores, contatos elétricos em geral, fabricação de motores.Equipamentos: aquecedores solares, condutores de calor,tubulações de água.Ligas Metálicas: cobre e estanhoforma o bronze, cobre e zinco forma o latão e por fim cobre e ouro forma o ouro 18 quilates,por exemplo, estas são as ligas mais comuns e utilizadas  mas existem inúmeras outras.

    Informações Importantes sobre o Cobre

    Quimicamente falando do cobre, ele forma diversos compostos sendo o principal o sulfato de cobre CuSO4· 5H2O,  utilizado como algicida e agente conferidor de coloração azul para água de piscinas, esse sal em estado anidro é de coloração branca, porém, em contato com o ar da atmosfera absorve a água e adquire coloração por ser higroscópico. A purificação do metal pode ocorrer de duas formas através do aquecimento dos minérios em que ele se encontra ou ainda após o aquecimento, passar por eletrólise para a obtenção de um maior grau de pureza. O cobre apresenta dois estados de oxidação Cu+ e Cu+2.

    Na análise qualitativa esse elemento pode ser identificado facilmente, com a adição de solução de hidróxido de sódio formando um precipitado gelatinoso de cor azul intensa, é importante também salientar que para análise qualitaiva somente Cu+2, tem importância. O metal pertence ao segundo grupo de cátions, e apresenta um potencial de eletrodo padrão positivo de 0,34 Volts, o que impossibilita que sofra ataque de ácidos diluídos (HNO3, H2SO4 e HCl), porém é atacado  e dissolve-se em água- régia, além de se dissolver com facilidade em  H2SO4 concentrado a quente.

    A reação do cobre em meio alcalino e com ácido sulfúrico:

    Além de formar os compostos acima mostrados através das reações, forma também compostos de coordenação, ou seja, forma íons complexos com amônio e com a água tais como:

    Tetraaminocuprato(II): [Cu(NH3)4]+2

    Tetraaquocuprato(II): [Cu(H2O)4]+2 (este complexo é resultado da hidratação do íon cobre, e responsável pela coloração azul intensa da solução.
    O cobre é um elemento essencial de todas as plantas e animais. Em animais, incluindo humanos, é encontrado primariamente na corrente sanguínea, como um co-factor de várias enzimas e nos pigmentos á base de cobre.
    O cobre desempenhou um papel importante na história da humanidade, que foi usado como metal não composto facilmente acessível durante milhares de anos. Temos muitas provas do uso do cobre por muitas das antigas civilizações. Durante o Império Romano, o cobre foi extraido principalmente das minas existentes em Chipre. Daqui a origem do nome do metal como Cyprium, “metal de Chipre”, mais tarde mudado para Cuprum.

    Curtir

  36. O nióbio é um elemento químico do grupo 5 (metais de transição) que pertence ao quinto período da tabela periódica. Ele é usado apenas em pequenas quantidades. Contudo, há um grande interesse teórico pelos “clusters”, que eles formam quando estados de oxidação baixos. Os minérios são dissolvidos ou por fusão com álcalis ou em ácido. Atualmente, a separação é efetuada por extração com solvente a partir de uma solução diluída de HF. Estado de oxidação: O nióbio apresenta todos os estados de oxidação possíveis, de (+I) a (+V). Os estados de oxidação inferiores se tornam cada vez menos estáveis. Os raios covalentes e iônicos do nióbio e do tálio são idênticos por causa da contração lantanídea. Por conseguinte, esses dois elementos têm propriedades muito semelhantes, ocorrem juntos e sua separação é muito difícil. O nióbio é um metal de cor prateada, com elevado ponto de fusão. O ponto de fusão do nióbio é elevado, mas os pontos de fusão máximos para os elementos da segunda e terceira séries de transição ocorrem no grupo seguinte (Grupo 6), com os elementos molibdênio e W. O metal nióbio puro é moderadamente mole e dúctil, mas quantidades traço de impurezas os torna duro e quebradiço. É extremamente resistente à corrosão, devido à formação de uma película superficial de óxido. À temperatura ambiente, ele não reage com o ar, água ou ácidos, exceto o HF, com o qual formam complexos. Os produtos frequentemente são compostos intersticiais, não-estequiométricos. O nióbio praticamente não forma nenhum cátion. Assim, embora o nióbio seja metal, seus compostos no estado (+V) geralmente são covalentes, voláteis e facilmente hidrolisados — propriedades associadas aos não-metais. A química do nióbio se restringe essencialmente ao estado de oxidação (+V). A cor dos compostos dos metais de transição normalmente se deve às transições eletrônicas d-d. Pode decorrer de defeitos no sólido e de transições de transferência de carga. Os íons em estados de oxidação inferiores a (+V) são coloridos, pois possuem um nível eletrônico d preenchido de forma incompleta, que possibilita a ocorrência de transições d-d. O NbF5 é branco, o NbCl5 é amarelo, o NbBr5 é laranja e o NbI5 é cor de bronze. Tais cores se devem a ocorrência de transferência de carga.

    Curtir

  37. Luiz Alfredo

    Luiz Alfredo nº 28 – 1ºF

    Magnésio(Mg)

    Apresentação:
    É um metal de símbolo Mg, de cor branco-prateado, bastante resistente, duro e leve (aliás, em estado puro, é o mais leve de todos os metais conhecidos). Quando pulverizado, entra facilmente em ignição ao ser aquecido, exibindo uma chama ofuscante. Já quando sofre oxidação, é capaz de perder seu brilho, com o surgimento de leves manchas, quando em simples contato com o ar, dando origem ao composto hidróxido de magnésio, que libera hidrogênio.

    Reconhecido como o oitavo elemento em abundância na natureza, o magnésio constitui 2,5% da composição da crosta terrestre, sendo um dos mais abundantes entre os elementos do grupo de metais alcalinos, bem como o nono elemento mais abundante em todo o universo. É ainda o 11º elemento mais abundante no corpo humano, considerando-se sua massa.

    O nome magnésio é originário do grego “magnesia”, alusão ao nome de um distrito da região da Tessália, sendo seu nome relacionado com “magnetita” e “manganês”, elementos descobertos pela primeira vez na mesma área.

    Detalhes:

    Peso Específico: 1,738 g/cm³
    Número Atômico: 12
    Classificação: Metais Alcalinos Terrosos,Grupo IIA
    Ponto de Fusão: em aproximadamente 650 graus Celsius.

    Os compostos de magnésio são utilizados há bastante tempo, desde a antiguidade, apresentando-se na natureza em sua grande maioria na forma de cristais brancos, porém nunca ocorrendo em forma pura na natureza. Assim, apresenta-se sempre em combinação com diversos elementos, em numerosos compostos naturais, como por exemplo a magnesita (MgCO3, carbonato de magnésio) e a dolomita (carbonato duplo de cálcio e magnésio, MgCa(CO3)2) e em águas salinas naturais.

    Curtir

  38. Talia Santos

    O elemento químico Berílio, representado pela sigla Be, possui número atômico 4 (4 prótons e 4 elétrons) e massa atómica 9 u. Pode ser encontrado em cerca de 30 minerais diferentes, sendo as principais fontes o berilo, bertrandita, crisoberilo e fenaquita. Atualmente, a maior parte do metal é obtido mediante a redução do fluoreto de berílio com magnésio ou pela eletrólise do tetrafluoreto de berílio
    O Berílio pertence à família 2 A (Alcalinos Terrosos), se localiza no segundo período e faz parte da classe dos metais.
    Propriedades químicas do Berílio: composto bivalente (pode formar duas ligações químicas) e tóxico.
    Características físicas: possui coloração cinza, com dureza elevada, peso leve, metal quebradiço, se faz sólido na temperatura ambiente.
    Aplicações do Berílio: pode ser aplicado em ligas metálicas, em naves espaciais e na fabricação de molas. Uma outra utilização do metal alcalino é na obtenção de moedas.
    Descoberto por Vauquelin em 1798, após suas pesquisas com minério berilo e esmeralda, onde constatou a presença de um elemento, que só foi isolado em 1828 por Wöhler e Bussy, independentemente, por uma reação em meio alcalino e aquecido. O berílio recebe este nome em virtude do minério o qual foi isolado, porém Vauquelin ao observar o metal, nomeou-o de glucínio, porque seus compostos apresentaram sabor doce em função de conferir um caráter ácido à solução, porém berílio foi o nome mais adequado. Apesar de doces, os compostos deste elemento são extremamente tóxicos e venenosos, podendo causar doenças ao longo dos anos ou levar a óbito.

    Curtir

  39. Elemento: Mercúrio (Hg)
    Mercúrio é um metal de transiçao prateado que possui a característica ímpar de ser o único elemento do grupo metálico a apresentar-se em condições naturais de temperatura e pressão sob forma líquida. Isso pode ser explicado pela energia de ionização muito grande, que dificulta a participação dos elétrons na formação das ligações metálicas. À temperatura ambiente, o líquido tem uma pressão de vapor apreciável. Por isso, superfícies expostas de mercúrio devem sempre ser cobertas (por exemplo, com tolueno) para impedir sua evaporação e, consequentemente, o risco de intoxicação. O mercúrio gasoso tem comportamento incomum, pois é constituído por espécies monoatômicas, como os gases nobres. Foi um dos primeiros elementos químicos a ser estudado desde os tempos mais remotos, inclusive pelos adeptos da alquimia, encontrado-se até no interior de tumbas egípcias. Assim, era conhecido pelos povos antigos como “ágyros khytós” (em grego, prata derretida), termo este que descreve com perfeição a aparência do metal, semelhante em aspecto e cor com o metal nobre prata.

    O nome moderno com que conhecemos este elemento é uma homenagem ao deus greco-romano Mercúrio (em Roma, ele era conhecido com este nome; já na Grécia Antiga, o nome correspondente era Hermes). Do mesmo modo, o símbolo do elemento possui também origem latina, ou seja, “Hg”, em língua latina corresponde a “hydragyrum”, significando “prata líquida” (na prática, uma conversão do antigo nome em grego para uma versão latina).

    Seu peso específico é de 13,6 g/cm³, com um ponto de fusão localizado em aproximadamente -38,87 graus Celsius, possuindo um peso atômico de 54,93. Seu número atômico é 80, valendo ao mercurio um lugar entre os denominados “metais de transição”, entre os elementos do grupo 12 ou família 2B na tabela periódica dos elementos químicos.
    O mercúrio apresenta uma configuração eletrônica d10s2, formando geralmente íons M2+. Contudo, muitos de seus compostos são covalentes em proporção elevada.
    Os compostos de Hg(+II) são mais covalentes, e seus complexos são mais estáveis. Como os íons de Hg têm camadas d completa, ele não se comporta como se fosse metal de transição típico. Embora os íons sejam divalentes, são poucas as semelhanças com os elementos do Grupo 2.Compostos de Hg(+I) também são importantes. O íon monovalente Hg+ não existe, pois os compostos de mercúrio (I) se dimerizam. Assim, o cloreto de mercúrio (I), Hg2Cl2, contém o íon [Hg-Hg]2+, onde os dois íons Hg+ (configuração 6s1) se ligam utilizando seus elétrons s. Os compostos de mercúrio (I) são, portanto, diamagnéticos.

    Seu principal minério é o sulfeto de mercúrio (HgS) que pode ser decomposto em seus respectivos elementos. Na indústria, as utilizações mais comuns do metal estão na fabricação de termômetros, barômetros, amálgama dentário, e em vários outros equipamentos científicos. Já o mercúrio-cromo e o mercurobutol são empregados como anti-séptico em ferimentos. Dissolve facilmente o ouro, prata, chumbo e metais alcalinos formando ligas relativamente consistentes denominadas amálgamas. Os bronzes são comercialmente importantes. O amálgama de sódio é formado na célula de cátodo de mercúrio, no processo de fabricação de NaOH. Amálgamas de zinco e de sódio são usados no laboratório como fortes agentes redutores.

    Devido exatamente a esta propriedade de dissolver ouro e prata, o mercúrio é amplamente utilizado na atividade de mineradores e garimpeiros, que utilizam o metal para separar o ouro de outros elementos que acompanham-no quando este é extraído do leito dos rios. E consequentemente, quando o curso de um rio é poluído por mercúrio, parte deste se volatiliza na atmosfera e torna a cair em seu estado original junto com a água da chuva. A outra parte do metal é absorvida direta ou indiretamente pelas plantas e animais aquáticos, que fazem o metal circular em meio àquele ecossistema. Os micróbios presentes na área, bem como aqueles presentes no organismo dos seres vivos irão deste modo transformar este mercúrio metálico em mercúrio orgânico, altamente tóxico.O mercúrio é usado em grandes quantidades, principalmente em células eletrolíticas, destinadas à fabricação de NaOH e Cl2. A indústria elétrica utiliza-o em lâmpadas de vapor de mercúrio (para a iluminação pública), em retificadores e interruptores.

    O mercúrio é altamente tóxico. Mesmo à temperatura ambiente, o metal libera vapor inodoro e invisível, que é facilmente absorvido através da respiração, sendo essa a via de contaminação mais grave, pois cerca de 80% da dose inalada vai para a corrente sanguínea. Sua solubilidade no sangue é maior que na água, e uma vez absorvido pelo organismo ele se acumula nos tecidos. A contaminação pode acontecer também por ingestão ou pelo contato com a pele.Dependendo da quantidade, pode provocar sérios problemas de saúde. Os órgãos mais frequentemente afetados são os rins e o fígado, além do sistema nervoso central, mas a toxicidade do mercúrio é tanta que ele é capaz de penetrar nas células e interferir no funcionamento interno delas. Por essa razão, toda manipulação do mercúrio deve ser feita obedecendo-se rigorosamente as medidas de segurança. Acidentes domésticos envolvendo quebra de termômetros de mercúrio requerem limpeza imediata do material derramado, que deve ser colocado em saco plástico bem fechado e descartado em pontos de coleta de pilhas e baterias, nunca no lixo comum nem na rede de esgoto.

    Outras informações:
    Ponto de Ebulição: 356,7 OC
    Elétrons por camada: 2,8,18,32,18,2
    Massa atômica: 200, 59
    Peso específico: 13,6 g/cm3
    Densidade: 13579 kg/m3
    Raio atômico: 150 PM
    Raio covalente: 149 PM
    Raio de Van der Waals: 155 PM
    Estrutura cristalina Romboédrica

    Curtir

  40. Cauã Luiz

    Cauã Luiz – n°11

    Apresentação

    O Césio (Cs55), do latim caesium (céu azul) está localizado na família IA da classificação periódica dos elementos. É um dos poucos metais que pode-se considerar que seja líquido em temperatura praticamente ambiente, sua configuração eletrônica está baseada no cerne e gás nobre xenônio, apresentando uma coloração metálica amarelo claro levemente prateada, é um dos metais alcalinos de menor ocorrência.

    Foi descoberto em 1860, por Gustav Kirchoff e Robert Bunsen, sendo o primeiro elemento a ser descoberto por análise espectral, sendo analisado o espectro de água mineral. Em estado metálico deve ser armazenado em líquidos apolares ou gases inertes em virtude de sua alta reatividade. O césio quimicamente é um metal capaz de formar vários sais, reage violentamente e exotermicamente com ácidos concentrados e diluídos e com água.

    É encontrado natureza nos minerais pollucite e lepidolita, e obtido a partir do resíduo da purificação do lítio e a maioria de suas reservas estão localizadas no Canadá. É extremamente tóxico, radioativo, emissor de raios alfa, é utilizado em aparelhos de raios-X, capaz de transformar energia luminosa em energia elétrica, é componente de células fotovoltaicas. Outra importante utilização do césio é nos relógios atômicos que só atrasam 1 segundo a cada 60 milhões de anos.

    Vale apena lembrar, do maior acidente radioativo acontecido fora de uma usina nuclear. Em Goiás, no dia 13 de setembro 1987, o dono de um ferro velho desmontou uma cápsula com Césio-137 encontrada em um instituto de radioterapia abandonado e retirou de seu interior um pó branco, que no escuro emitia uma luminosidade azul. A curiosidade das pessoas do local acabou por espalhar a radiação por vários locais provocando doenças e óbitos.

    Detalhes:

    Massa Específica: 132,905 u
    Número Atômico: 55
    Classificação: IA, Metais Alcalinos
    Ponto de Fusão: 28 °C

    Curtir

  41. Beatriz Alves

    Beatriz Alves de Souza n°07

    Cloro(Cl)

    O cloro é um elemento químico que tem o número atômico 17, pertencente ao grupo 17 ou 7A (halogênios) 3°período da tabela periódica foi descoberto pelo sueco Carl Wilhelm Scheele em 1774. Seu ponto de ebulição é -34,04°C.
    Sob condições normais é um gás de coloração amarelo esverdeada, em temperatura ambiente, se encontra em sua forma biatômica (Cl2): é um gás extremamente tóxico e de odor irritante. É utilizado na fabricação de produtos para tratamento de água, e na fabricação do ácido clorídrico, principalmente.
    Um dos elementos químicos que tem maior importância industrial por ter ampla utilização em diversos segmentos, é envazado em cilindros de aço altamente resistentes, sob pressão. A alta reatividade do cloro não permite que ele seja encontrado na natureza em estado elementar, porém é encontrado na forma de cloretos (o mais comum é o NaCl), cloratos, percloratos, cloritos e hipocloritos além de estar ligado covalentemente a outros não metais, além de estar ligado a compostos orgânicos formando haletos. Fora o sal de cozinha é encontrado também na silvina. É obtido pelo processo de eletrólise do cloreto de sódio fundido na fabricação de hidróxido de sódio, a partir da água do mar.

    Curtir

  42. Delivery Status Notification (Failure)
    Ações
    postmaster@mail.hotmail.com (postmaster@mail.hotmail.com) Adicionar aos contatos Anexo 17:03 Manter esta mensagem na parte superior de sua caixa de entrada
    Para: caio_jeck0102@hotmail.com
    postmaster@mail.hotmail.com
    Outlook.com Exibição Ativa
    1 anexo (19,4 KB)
    Clique para obter Opções
    No Subject.eml

    Baixar como zipSalvar no OneDrive
    This is an automatically generated Delivery Status Notification.

    Delivery to the following recipients failed.

    flavio.gimenos@live.com

    –Anexo de Mensagem Encaminhado–
    From: caio_jeck0102@hotmail.com
    To: flavio.gimenos@live.com
    Subject:
    Date: Sat, 16 Apr 2016 17:03:13 +0000

    EE Profº Waldomiro Guimarães

    Caio Bonfim Macedo nº 10 1º B

    Postagem: 8 elementos incríveis da tabela Periódica

    Perguntas:

    1. Quais são os 8 elementos citados no texto?
    Resposta: Hidrogênio, Hélio, Mercúrio, Irídio, Tungstênio, Carbono, Urânio e Ununóctio

    2. Qual desses elementos é usado para a produção de energia?
    Resposta: O Urânio é um metal capaz de produzir energia em usinas Nucleares.

    3. Do que é composto o átomo de Urânio?
    Resposta: Seu átomo é composto por 92 prótons, 92 elétrons e de 135 a 148 nêutrons e tem o núcleo mais pesado a existir naturalmente no planeta.

    4. Qual é estado de matéria que o Mércurio é encontrado?
    Resposta: Estado Liquido

    5. Qual o elemento mais abundante no universo?
    Resposta: Hidrogênio

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: