Alunos do 1º Técnicos em Química

Olá a todos, postem seus relatórios neste post como cometários.

Obrigado

Flávio Gimenes

 

Publicado em 03/04/2016, em Conceitos Químicos. Adicione o link aos favoritos. 11 Comentários.

  1. Introdução
    Um dos modos mais utilizados para realizar a determinação da geometria molecular, ou seja, para descobrir a forma com que os átomos estão dispostos espacialmente em uma molécula, é pela teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência (RPECV). Esse modelo considera as ligações covalentes que o átomo central realiza com os demais átomos como uma nuvem eletrônica. As nuvens eletrônicas repelem-se, pois são formadas de elétrons que possuem carga negativa (cargas iguais repelem-se). Desse modo, os átomos afastam-se e é definida a geometria molecular. A geometria molecular explica como estão dispostos os átomo dentro da molécula. Os átomos tendem a ficar numa posição mais espaçada e esparramada possível. Assim, conseguem adquirir a estabilidade. As geometria moleculares são: linear, angular, trigonal, piramidal, tetraédrica, octaédrica, bipirâmide trigonal, gangorra ou tetraédrica distorcida, quadrado planar, pirâmide de base quadrática. A geometria feita na aula prática fora a linear, angular, trigonal, piramidal e tetraédrica. A geometria linear pode ser com moléculas diatômicas (com dois átomos e elétrons livres em ambos) ou triatômicas (com três átomos e sem elétrons livres no átomo central, formam um ângulo de 180°). A angular são moléculas triatômicas com sobra de elétrons e formam um ângulo de 109,28°. A trigonal com moléculas tetratômicas sem elétrons livres. A piramidal com moléculas tetratômicas com um par de elétrons livres no átomo central. Tetraédrica com moléculas pentatômicas com átomo central e sem elétrons livres nele.

    Objetivo
    O objetivo da experiência foi identificar os modelos estruturais existentes nas ligações iônicas e demonstrá-las através de bexigas, formando os compostos.

    Materiais Utilizados
    – Bexiga
    – Fita
    – Caneta

    Dados das Representações dos Elementos
    Estrutura Elemento Fórmula Molecular Cor
    Linear Nitrogênio N2 Roxo
    Angular Ácido Sulfídrico H2S Laranja (H2); Branco (S)
    Piramidal Hidreto de Fósforo PH3 Vermelho (P); Laranja (H3)
    Trigonal Plana Hidreto de Boro BH3 Verde (B); Laranja (H3)
    Tetraédrica Clorometano CH3Cl Azul (Cl); Rosa (C); Laranja (H3)

    Procedimento
    • Primeiramente, foi feita a escolha dos compostos que seriam montados e qual estrutura seria representada em cada um deles.
    • Após isso, encheram-se as bexigas e identificou-as de acordo com o símbolo do elemento correspondente a cor da bexiga que o representaria.
    • Com elas cheias e identificadas, foi feita a união delas de acordo com os elementos dos compostos, respeitando as estruturas e os ângulos entre os átomos ligados ao átomo central.
    • Por fim, fizeram-se os registros fotográficos e ao final, todas as bexigas foram estouradas e seus restos foram descartados.

    Bibliografia
    http://www.sog.com.br/conteudo/em/ligacoesquimicas/p6.php
    http://mundoeeducacao.bol.uol.com.br/quimica/determinacao-geometria-molecular.htm

    Conclusões

    Alexandre Monteiro de Camargo
    A atividade mostrou-se muito interessante no aspecto de criação, para se observar o ângulo em que cada átomo tem e suas respectivas estruturas. Pode-se observar cinco estruturas principais: angular, tetraédrica, piramidal, trigonal plana e linear.

    Eyshila Cristina Bitencourt Lucio
    A dinâmica realizada em sala de aula possibilitou uma maior compreensão sobre os conceitos estudados em sala de aula sobre geometria molecular. Através desta, foi possível a montagem e a análise de como os átomos estão organizados em cada composto utilizando das principais estruturas: linear, angular, trigonal plana, piramidal e tetraédrica. Fez com que se compreendesse também sobre os ângulos formados entre os átomos dos compostos ligados ao átomo central, assim entende-se a repulsão dos elétrons para obter maior “estabilidade”.

    Giovanna Stela
    Ao final do procedimento, tornou-se possível compreender melhor a maneira com que os átomos de determinados elementos se dispõe formando um composto, desde a forma como eles se ligam até o ângulo que eles irão formar. Além disso, dependendo de como os átomos estiverem, há uma classificação, ou seja, um nome que os denomina perante a sua geometria molecular.

    Guilherme Morais Brito
    Com a montagem de diferentes moléculas com os balões, foi possível observar e entender melhor a geometria de cada uma delas, estas geometrias que são a linear, angular, piramidal, trigonal e a tetraédrica.

    Hadna Maria de Campos Santos
    Foi explorado neste experimento o uso de bexigas para representação geométrica das moléculas respeitando suas regras de posicionamento e a presença de elétrons livres ou não. Representamos os compostos com cores diferentes para melhor visualização.

    João Vitor de Araujo Souza
    Pode-se entender com esta aula dinâmica, as cinco principais geometrias das moléculas: linear e angular (2 átomos ligantes), piramidal e trigonal (3 átomos ligantes) e tetraédricas (4 átomos ligantes). Também, pode-se ver os ângulos que os átomos fazem em relação ao átomo central por causa da repulsão.

    Nathalia Scaringi Lopes
    Após a experiência pode-se perceber os exemplos de geometria molecular e se existem ou não elétrons livres, verificando, também, o ângulo formado cada uma delas, facilitando a identificação de qual modelo se trata. Sabendo quantos átomos fazem partr da geometria e se há átomo central.

    Richard Lucas Bolcon
    Utilizando as bexigas, podemos observar e também colocar em prática o conceito de modelos estruturais nas ligações iônicas, e então formando os compostos.

    Curtir

  2. Jaqueline Vitória

    RELATÓRIO TMI – GEOMETRIA MOLECULAR 1º u
    Alunos:
    Ariane Oliveira Rodrigues
    Beatriz Adriellen Osia de Souza
    Erick França da Silva
    Jaqueline Vitória da Silva
    Letícia do Carmo Melo
    Thamires Xavier Marinho

    Introdução:
    A geometria molecular, explica como os átomos estão dispostos em uma determinada molécula. Assim, cada molécula apresenta uma forma geométrica característica da natureza das ligações (covalentes ou iônicas) e dos constituintes (como elétrons de valência e eletronegatividade).
    Em uma estrutura linear, dizemos que possui forma plana e que o ângulo das ligações é de 180°.
    Em uma estrutura angular, os átomos se posicionam formando ângulos de 104,5°. Dizemos que é uma molécula de Geometria molecular angular.
    A geometria molecular trigonal é caracterizada pelo ângulo de 120° entre as ligações.
    A Geometria molecular tetraédrica possui a formação do ângulo de 109,5°.
    A estrutura piramidal é caracterizada pelo ângulo de 107° entre suas ligações.
    Neste procedimento realizado em sala de aula, balões coloridos são utilizados para representar estas estruturas citadas anteriormente.

    Objetivo:
    Este procedimento tem como objetivo, proporcionar um complexo ensinamento sobre a geometria molecular de maneira simples e divertida.

    Materiais:
    – Bexigas de cores variadas
    – Fita adesiva
    – Caneta (permanente ou para quadro branco)

    Procedimento:
    – Após a obtenção das bexigas coloridas, elas foram preenchidas da seguinte maneira:
    – Com o polegar e indicador, a parte mais fina da bexiga (próxima da abertura) foi pressionada.
    – A abertura da mesma foi levada ao lábio, e utilizando o sopro ela foi preenchida com ar.
    – Pressionou-se sua aberta, e foi feito um nó em sua parte fina, para evitar o vazamento do ar.
    – Foram utilizadas as seguintes estruturas: Linear – N2, Angular – H20 Trigonal Plana – BCl3, Piramidal – NCl3 e Tetraédrica – CH4.
    – As estruturas das moléculas desejadas são observadas e representadas com os balões.
    – Utilizou-se a fita adesiva para colar os balões na ordem correta das estruturas.
    – Os símbolos dos elementos químicos presentes nas moléculas foram marcados, com a caneta, nos balões que as representavam.

    Conclusões:

    Conclusão Ariane
    A realização dessa experiência proporcionou a compreensão prática da disposição dos átomos em uma molécula estando relacionada com o tipo de ligação presente na mesma. As bexigas se reorganizavam no espaço de acordo com o lugar que eram submetidas a ocupar, apresentando assim, simbolicamente, a geometria molecular que pode ser Linear, Trigonal Plana, Tetraédrica, Piramidal ou Angular, todas elas dependentes do átomo central e dos elementos que estão compondo a molécula, procurando adquirir a disposição espacial mais estável.

    Conclusão Beatriz
    A geometria molecular estuda as posições dos átomos distribuídos em uma molécula, representando-os em formas geométricas, são estas trigonal plana, angular, linear, entre outras.
    A utilização de balões para representar tais formas, nos proporcionou o entendimento da geometria molecular, pois pudemos ter um contato visual mais eficaz com a distribuição dos átomos na molécula.

    Conclusão Jaqueline
    Para determinar a geometria molecular, é preciso encontrar o átomo central (geralmente o que estiver em menor quantidade) e então a partir dos pares de elétrons compartilhados com os outros átomos observam-se quantas nuvens eletrônicas são formadas. Assim, a partir da quantidade e posição das nuvens, pode-se classificar como: Linear, Angular, Trigonal Plana, Piramidal e Tetraédrica.
    A química é um estudo complexo que, necessita muitas vezes do uso da imaginação. Com as moléculas não é diferente, para descobrir a forma com que os átomos estão dispostos espacialmente na mesma (geometria) é preciso imaginar as nuvens eletrônicas que são formadas. Assim, ao relacionar a geometria molecular com objetos do dia a dia como bexigas o entendimento torna-se muito mais claro e divertido.

    Conclusão Letícia
    A geometria molecular é um assunto complexo e muitas vezes visto como algo difícil, e isto passa a tirar o interesse de algumas pessoas sobre o mesmo, principalmente em relação a se recordar das estruturas, seus nomes, e graus.
    Esta atividade instruída pelo professor nos traz grande diversidade para compreensão e fixamente do conteúdo. A ideia de representar a geometria das moléculas com balões nos proporcionou diversão e um aprendizado de maneira simples.

    Conclusão Thamires
    Nesta aula usamos bexigas de diferentes cores para representar a disposição espacial dos átomos na estrutura das moléculas (geometria espacial).
    Na estrutura linear foram usadas 2 bexigas e esta representou o composto N2.
    Na estrutura trigonal plana foram usadas 4 bexigas e esta representou o composto NCl3.
    Na estrutura tetraédrica foram usadas 5 bexigas e esta representou o composto CH4.
    Na estrutura piramidal foram usadas 4 bexigas e esta representou o composto NH3.
    Na estrutura angular foram usadas 3 bexigas e esta representou o composto H2O.

    Referências Bibliográficas
     FOGAÇA, Jennifer. “Determinação da Geometria Molecular”; Química Geral. Disponível em . Acesso em 02 de abril de 2016.
     LIRA, Júlio. “Geometria Molecular”; Info Escola. Disponível em . Acesso em 02 de abril de 2016.
     SOUZA, Líria Alves De. “Geometria molecular”; Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 02 de abril de 2016.

    Curtir

  3. Beatriz Salicio

    RELATÓRIO DE TMI- GEOMETRIA MOLECULAR 1º u
    Alunos:
    Artur Scudeler
    Beatriz Salicio
    Bruno César
    Bruno Kosimenko
    Emerson Santos
    Murillo Godoi
    Yasmim Oliveira

    1.0 Introdução

    A geometria molecular demonstra como os átomos se dispõem numa molécula dependendo dos átomos que a compõem, assume diversas formas geométricas, sendo que as mais importantes são: linear, angular, trigonal plana, piramidal e tetraédrica, onde cada uma tem seus próprios ângulos entre moléculas e suas próprias propriedades.

    2.0 Objetivo

    Identificar por meio de balões a geometria de certos tipos de moléculas, com seus ângulos e seus elementos .

    3.0 Materiais

    • Bexigas;
    • Durex.

    4.0 Geometria molecular
    A teoria da repulsão do par de elétrons da camada de valência é a principal regra a ser considerada para determinar a geometria molecular, isto é, determinar qual é a disposição dos átomos no interior da molécula. O fenômeno da diversidade de geometrias da molécula ajuda a explicar certas características e funções das moléculas, sobretudo no que se refere à polaridade e maior ou menor estabilidade.
    Os diferentes átomos buscam, de acordo a teoria do octeto, se estabilizar ao se tornarem mais semelhantes ao gás nobre com configuração eletrônica mais próxima; considerado que certos átomos possuem configuração eletrônica com orbitais já completos, devendo compartilhar (quando ligação covalente) ou ganhar/perder (quando ligação iônica) elétrons, os demais pares dos orbitais que já estão completos tendem a se repelir (teoria de repulsão), o que explica a tendência dos átomos produzirem ângulos entre si.

    4.1 Geometria linear

    Entre as formas oriundas da repulsão das moléculas encontra-se moléculas com repulsão cujo ângulo de 180º formado entre a molécula central e os elementos acoplados formando uma estrutura em linha, comum a átomos de um mesmo elemento ligados entre si como N2, O2 e no caso da figura 1, o exemplo desta estrutura temos o CS2, ou simplesmente o dissulfeto de carbono. Tal molécula não costuma apresentar polaridade.

    4.2 Geometria angular

    Graças a esse tipo de disposição entre os átomos, pode ocorrer um desequilíbrio eletrônico: a molécula se torna mais eletronegativa em um dos lados como ocorre na molécula de água H2O. Outra molécula com este tipo de estrutura pode ser observada na figura 2, no dióxido de enxofre, SO2.

    4.3 Geometria trigonal plana

    Neste tipo de estrutura molecular encontram pares de elétrons de diferentes núcleos que se repelem e formam ângulos de 120º, a segunda maior repulsão entre os átomos que circundam o átomo central. Estabelece desse modo um tipo de estrutura plana, que pode ser representada sem necessidade de indicar se os átomos estão à frente ou atrás do átomo central. Um exemplo, pode ser visto na figura 3, que representa a estrutura de uma molécula NO3polar, ou seja, com polaridade positiva ou negativa diversa entre as partes da molécula quando cada parte for analisada individualmente.

    4.4 Geometria tetraédrica

    Ocorre quando o átomo central faz quatro ligações, átomos circundantes então se dispõem em um ângulo de 107º30’ entre si, formando uma espécie de prisma, ou se preferir, uma molécula próxima a um dado de 4 lados. Como pode ser visto na figura 4, trata-se de uma estrutura tridimensional que exige uma forma de representação bastante clara quando escrita sob plano bidimensional, com triângulo preenchido para as ligações entre o átomo que sai do plano e o átomo central; e com barras crescentes entre o átomo central e o que entra no plano.

    4.5 Geometria piramidal

    Nessa geometria há a presença de quatro átomos, sendo que no átomo central há uma nuvem eletrônica não ligante, ou seja, há dois elétrons que o átomo não precisa utilizar para ficar estável. Assim, quando temos três átomos ligantes, a geométrica ficará disposta em uma espécie de pirâmide, formando ângulos de 109,5° , como mostra a figura 5.

    5.0 Conclusões
    Artur Scudeler :
    Nem sempre a representação da geometria no plano ilustra bem a estrutura de uma molécula. A atividade em sala mostrou como a molécula se dispõe no espaço, e agora se pode compreender melhor a interação entre as forças intermoleculares como determinante de seu arranjo tridimensional.

    Beatriz Salicio :
    A partir da montagem das geometrias com as bexigas, pudemos “ imaginar” melhor como os átomos se ligam e a estrutura que eles formam devido ao seus elétrons. Experimentos desse tipo, tornam mais compreensível a matéria estudada, já que não podemos manusear um átomo com facilidade.

    Bruno Cesar:
    Foram vistas os tipos de geometria molecular com o uso de bexigas de alguns compostos e seus respectivos ângulos de interação, cujo depende do tipo de geometria.

    Bruno Kosimenko :
    As geometrias vistas em aula, representam a posição em que os elétrons estão distribuídos na molécula, de forma que fiquem o mais distante possível uns dos outros. No experimento pudemos ver essas geometrias de forma tridimensional.

    Emerson Santos:
    Foram vistas as formas geométricas de alguns compostos inorgânicos e representados os átomos em suas devidas posições.

    Murillo Godoi :
    Após este “experimento” mostra os diferentes tipos de geometria molecular, podemos observar de um modo mais fácil e entender o porquê dos diferentes tipos de geometria. Devido a bexiga ser parecida com um átomo e visível a olho nu.

    Yasmim Oliveira :
    Ao realizar a atividade de geometria molecular com as bexigas, pode-se observar melhor a posição do átomo principal em relação aos que estão ligados a ele e o esquema de repulsão dos elétrons, que ocorre devido a “sobra” de elétrons, que ficam sem ligação e ocasionam a repulsão, gerando as formas angular, linear, piramidal, trigonal plana e tetraédrica.

    6.0 Referências bibliográficas

    http://www.soq.com.br/conteudos/em/ligacoesquimicas/p6.php

    http://zeus.qui.ufmg.br/~qgeral/downloads/aulas/aula%2016%20-%20geometria%20molecular.pdf

    Curtir

  4. Hortencia de Andrade Ponte

    CENTRO PAULA SOUZA – ETEC JÚLIO DE MESQUITA – Técnico em Química ­ 1o U ­ NOTURNO

    ALUNOS: GUILHERME NUNES; HORTÊNCIA DE ANDRADE PONTE; PRISCILA MARIA GOMES PALMEIRA; VINÍCIUS NASCIMENTO SILVA

    GEOMETRIA MOLECULAR: Relatório De Aula Prática

    1. INTRODUÇÃO

    A geometria molecular consiste em entender a distribuição espacial dos átomos

    nas moléculas, sendo, então, um importante parâmetro fundamental para a

    previsão da polaridade de uma molécula de acordo com as suas ligações

    iônicas ou covalentes e de seus constituintes, como a eletronegatividade e os

    elétrons de valência. Assim contribuindo para definir o tipo de intensidade das

    interações intermoleculares que podem ocorrer entre moléculas em um

    composto puro ou em uma solução formando uma substância.

    A teoria os pares eletrônicos da camada de valência de um átomo demonstram

    que, os mesmos, tenderem a se orientar de maneira que sua energia total seja

    mínima. Ou seja, eles ficam tão próximos quanto possível do núcleo e ao

    mesmo tempo ficam o mais afastado possível dentre si, a fim de adquirir

    estabilidade, mas a força da repulsão não é capaz de desfazer a ligação entre

    os átomos, por isso há uma distância no ângulo criado entre eles.

    Hibridização ou Hibridação de orbitais consiste em uma interpenetração

    (mistura) de orbitais, a qual origina novos, denominados orbitais híbridos. Esse

    arranjo da hibridização de orbitais dá origem às formas geométricas, as quais

    podem ser representadas de maneira tridimensional, por exemplo, através de

    balões de festa de diferentes cores.

    A partir da hibridização a geométrica molecular se constitui de alguns princípios

    como: número total de elétrons de valência (considerar a carga no caso de um

    íon); definição do átomo central (maior número de ligações possíveis e menos

    eletronegatividade); número de elétrons de valência dos átomos ligantes;

    número de elétrons não ligantes; aplicação da teoria da repulsão dos pares

    eletrônicos de valência.

    2. OBJETIVO

    Demonstração de forma prática e divertida da geometria molecular, busca por

    exemplos de compostos químicos que apresentem determinada forma

    molecular e pesquisa dos mesmos.

    3. MATERIAIS E MÉTODOS

    ● Ar (pulmonar: CO2, O2, H2, N2)

    ● Bexigas sortidas

    ● Caneta Permanente

    ● Fita adesiva

    1. Determinar os compostos a serem usados em cada um dos exemplos e

    suas formas geométricas que no caso foram: Cl2 para linear, CH2O para

    trigonal plana, CCl4 para tetraédrica, PH3 para piramidal;

    2. Escolher quais cores representam qual átomo (branco para cloro, amarelo

    para enxofre, verde para oxigênio, preto para carbono, azul para fosforo);

    3. Encher os balões a serem utilizados;

    4. Marcar em cada bexiga qual átomo cada um representa;

    5. Encaixar uns nos outros formando a geometria molecular de cada

    6. Tirar fotos de cada composto.

    4. RESULTADOS

    As formas geométricas visualizadas durante o experimento e sua descrição

    estão apresentadas a seguir:

    LINEAR (Figura 1 e 2): ocorre em todas as moléculas que possuem dois

    átomos,também chamadas de moléculas biatômicas, ou em toda a molécula na

    qual existem, no máximo, duas nuvens eletrônicas na camada de valência do

    átomo central. O ângulo da geometria linear é de 180°.

    Figura 1 e 2:respectivamente molécula de Cl2 e CS2, como exemplos de uma

    geometria molecular plana.

    ANGULAR (Figura 3): comum a moléculas nas quais o átomo central possui três

    ou quatro nuvens eletrônicas na sua camada de valência. Quando existem três

    nuvens, duas devem ser de ligações químicas e uma deve ser não ligante para

    formar um ângulo de 120°. No caso de quatro nuvens, duas precisam fazer as

    ligações químicas e duas não, para que seja possível formam um ângulo de

    aproximadamente 104,45° entre os átomos da molécula.

    Figura 3: molécula de SO2, como exemplo de geometria molecular angular.

    TRIGONAL PLANA (Figura 4): pode ser observada em moléculas nas quais o

    átomo central possui três nuvens eletrônicas na sua camada de valência. As

    ligações químicas deste tipo de molécula formam um ângulo de 120° entre os

    átomos conectados ao átomo central. Quando duas nuvens eletrônicas forem

    de ligações químicas e a terceira nuvem for de elétrons não ligantes, a

    geometria da molécula é angular (ângulo de 120°).

    Figura 4: molécula de CH2O, como exemplo de uma geometria triagonal plana.

    TETRAEDRICA (Figura 5): devem existir quatro nuvens eletrônicas na camada de

    valência do átomo central. Todas as quatro nuvens devem fazer ligações

    químicas para que o átomo central fique localizado no centro do tetraedro

    regular, com ângulo de aproximadamente 109°.

    Figura 5: molécula de CCl4, como exemplo de uma geometria tetraédrica.

    PIRAMIDAL (Figura 6): pode ser verificada em moléculas nas quais o átomo

    central possui quatro nuvens eletrônicas na camada de valência, sendo que

    três destas nuvens fazem ligações químicas e a quarta não faz nenhuma

    ligação. Os três átomos conectados ao átomo central não ficam na mesma

    superfície e o ângulo formado é de 107°.

    Figura 6: molécula de PH3, como exemplo de uma geometria piramidal.

    5. CONCLUSÕES

    5.1. GUILHERME: Com o experimento realizado em sala, podemos observar que a

    geometria atômica não é randômica, mas sim que depende do numero de

    átomos e elétrons que os orbitam, podendo assim dar origem a forma linear,

    angular, piramidal, trigonal plana e tetraédrica, onde o ângulo de cada forma é

    definido pela energia contida nos elétrons e numero de átomos na molécula.

    5.2 HORTÊNCIA: A geometria molecular depende de diversos fatores para se

    forma, de atração pelo centro e repulsão de átomos não ligantes, sendo assim

    a utilização de bexigas se torna uma forma simples e dativa de se demonstra

    cada uma dessas geometrias, além de conhecer determinados compostos que

    apresentam essas geometrias.

    5.3. PRISCILA: Observa­-se que uma das melhores maneiras de representar a

    hibridização de orbitais é através de balões de festa, pois os mesmos têm

    diferentes cores e proporcionam arranjos muito semelhantes aos dos orbitais

    nas figuras geométricas, quando devidamente agrupados.

    5.4. VINICIUS: Com o experimento, podemos observar de forma pratica como são

    constituídas as geometrias moleculares, assim podemos de forma simples fixar

    este conhecimento e até pesquisar moléculas diferentes das mencionadas em aula.

    6. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    Geometria Molecular. Departamento de Química UFMG. Disponível em:

    Acesso em 2 de abril de 2016.

    Introdução à Geometria Molecular. Disponível em

    Acesso

    em 3 de abril de 2016.

    RODRIGUES, L. Hibridização de Orbitais. Disponível em

    Acesso em 2 de abril de 2016.

    Curtir

  5. CENTRO PAULA SOUZA
    ETEC JÚLIO DE MESQUITA
    Técnico em Química
    1ºU
    Danilo, Erika, Gustavo, Josiel, Paulo César, Vagner e Weronica.

    1. INTRODUÇÃO

    Quando átomos de não metais se unem, eles o fazem por meio de uma ou mais ligações covalentes. Como consequência dessa união, surgem as moléculas com dois ou mais átomos.
    A geometria molecular descreve como os núcleos dos átomos que constituem a molécula estão posicionados uns em relação aos outros. As geometrias moleculares mais importantes são: linear, trigonal plana, tetraédrica, piramidal e angular.
    Podemos prever a geometria de moléculas que possuem um átomo central pelo modelo da repulsão de pares de elétrons na camada de valência (RPECV). Este modelo tem como base:
    • O número de átomos das moléculas;
    • As ligações do átomo central, ou seja, o átomo que está ligado a todos os outros átomos da molécula;
    • Se o átomo central possui ou não pares de elétrons disponíveis, isto é, que não estão envolvidos em nenhuma ligação química.

    2. OBJETIVO

    Entender e determinar a geometria molecular dos compostos, utilizando balões de festas (bexigas).

    3. MATERIAIS

    • Bexigas coloridas
    • Fita adesiva
    • Caneta de CD
    • Câmera fotográfica (celular)

    4. PROCEDIMENTO

    • Escolher os compostos (um para cada tipo de geometria);
    • Escrever a estrutura de Lewis (fórmula eletrônica), a fórmula estrutural e a fórmula molecular;
    • Encher as bexigas;
    • Montar as geometrias moleculares com auxílio de fita adesiva;
    • Com a caneta, escrever o elemento químico que a bexiga representa e seus respectivos elétrons;
    • Tirar foto de cada estrutura.

    5. CONCLUSÃO

    • Danilo
    Nessa atividade aborda-se o tema geometria molecular, utilizando balões de bexiga para expor de forma tridimensional moléculas de diferentes geometrias.
    Essa apresentação proporciona um maior entendimento sobre as cinco geometrias abordadas e as suas diferenças espaciais, envolvendo o número de átomos ligados ao átomo central e a presença de elétrons livres, ou seja, sem constituir ligação covalente.

    • Erika
    Este experimento facilitou a compreensão e o entendimento sobre a geometria molecular, ou seja, a posição dos átomos no espaço. Fazendo uma analogia com as bexigas, pode-se observar que os pares de elétrons existentes ao redor do átomo central originam uma nuvem eletrônica. Essas nuvens se repelem entre si e se orientam no espaço da maneira mais estável, ou seja, com a maior distância angular possível.
    Pode-se comprovar que: moléculas com dois ligantes sem elétrons livres apresentam geometria linear; moléculas com dois ligantes e átomo central com elétrons livres apresentam geometria angular; moléculas com três ligantes e átomo central com elétrons livres apresentam geometria piramidal; moléculas com três ligantes sem elétrons livres apresentam geometria trigonal plana; moléculas com quatro ligantes sem elétrons livres apresentam geometria tetraédrica.
    Assim, a geometria molecular depende da quantidade de átomos na molécula e da presença de pares de elétrons não ligantes.

    • Gustavo
    Analisando as estruturas moleculares que foram montadas, pode-se perceber melhor as relações entre os átomos de uma ligação covalente, e como estes, variante a quantidade em que se encontram, se separam no espaço.
    A questão da eletronegatividade também merece ser citada, usando o BH3 (geometria Piramidal) e o PCl3 (geometria Trigonal Plana),foi visto que a presença de átomos mais eletronegativos influencia a geometria, enquanto na Piramidal só havia um elemento de grande eletronegatividade, na Trigonal Plana haviam vários, o que explica o porque de serem diferentes.
    O ponto mais importante que se vale destacar é que os átomos podem-se dispor das mais diversificadas maneiras, o BH3, que encontra estabilidade com 6 elétrons é o maior exemplo da perfeição das geometrias, que conseguem explicar praticamente todas as relações entre os elétrons da Camada de Valencia de qualquer molécula.

    • Josiel
    Com a aula passada, foi realizada a montagem da geometria molecular por meio de bexigas, a fim de representar e facilitar a visualização dos compostos escolhidos pelo grupo.

    • Paulo
    Após as atividades realizadas com os balões, foi possível entender melhor a geometria das moléculas por meio de uma visualização tridimensional.
    Enfim conclui-se que a geometria das moléculas é determinada pela forma como os elétrons estão dispostos nela.

    • Vagner
    Ficou entendido que geometria molecular é a forma espacial que as moléculas assumem pelo arranjo dos seus átomos ligados. Os átomos ligados ao átomo central se repelem de forma a ficarem a maior distância possível um do outro devido a eletronegatividade de cada um, formando ângulos diferentes em cada molécula. Por isso cada molécula tem uma forma geométrica específica.

    • Weronica
    Com o experimento realizado em sala de aula, foi abordada a geometria molecular de alguns compostos. Usando bexigas como a representação dessas geometrias, pode-se observar a disposição dos átomos dentro de dada molécula. Assim, foi possível perceber que em relação às posições dos átomos, é possível que os mesmos adquiram maior estabilidade. Se tratando dos balões utilizados, nota-se que haverá o afastamento entre eles, como se houvesse uma repulsão, e de mesma forma ocorre com as nuvens eletrônicas dos átomos, que buscam a disposição espacial mais estável.
    Logo, é possível relacionar o experimento realizado, com a teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência (RPECV), que afirma que a disposição dos átomos no espaço ao redor do átomo central, é dada a partir da repulsão existente entre os pares de elétrons que ficam na camada de valência do átomo central, a fim de evitar a repulsão brusca, ou seja, busca maior estabilidade atômica.

    6. BIBLIOGRAFIA

    COLÉGIO WEB, Teoria da repulsão dos pares de elétrons da camada de valência (teoria RPECV). Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2016.

    FONSECA, M.R.M.; Química: ensino médio. 1. ed. São Paulo: Ática, 2013.

    PERUZZO, F.M.; CANTO, E.L; Química na abordagem do cotidiano: Química Geral e Inorgânica. 4. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

    Curtir

  6. Eloah Drudi

    Introdução
    A distribuição espacial de uma molécula é determinada: geometria molecular, e a partir dessa disposição, que não ocorre somente em um plano, é possível definir propriedades de uma substância.
    Moléculas se formam a partir do compartilhamento de pares de elétrons (ligações covalentes) e são esses pares de elétrons que geram o que chamam de ‘’ teoria de repulsão dos pares de elétrons da camada de valência’’, essa teoria considera cada ligação que o átomo central realiza com os demais, sendo nuvens de elétrons (essas nuvens se formam também nos elétrons livres) e como consequência de todas possuírem carga negativa, vão se repelir, definindo o arranjo espacial da molécula.
    Entre os tipos de geometria molecular definidos por essa teoria tem-se:
    Linear: ocorre em todas as moléculas diatômicas (formadas por dois átomos), porque estas não têm átomo central e a máxima distância que a repulsão permite é o ângulo de 180°. Algumas moléculas com três átomos também possuem essa configuração, isso graças à falta de pares de elétrons disponíveis.
    Angular: quando o átomo central possui um par de elétrons não ligantes a molécula assume uma disposição onde os dois átomos restantes se distanciam formando o ângulo de 120°.
    Trigonal plana: acontece em moléculas com quatro átomos e o átomo central não possui par de elétrons disponível, a repulsão gera o ângulo de 120°.
    Piramidal: também ocorre com moléculas de quatro átomos, porém neste caso o átomo central possui um par de elétrons disponível e gera o ângulo de 109,28°.
    Tetraédrica: quando cinco átomos, um deles o central, formam o ângulo de 109,28° e não existe par de elétrons disponível ele é chamado de tetraédrico.
    Existem mais tipos de geometria molecular, como a bipirâmide trigonal e a octaédrica, porém o foco desse trabalho, baseado na prática em sala de aula, são os cinco tipos exemplificados acima.

    Objetivo
    Reconhecer a geometria molecular, determinar a geometria das moléculas de acordo com a RPECV, mostrar a disposição dos átomos no espaço e demonstrar a repulsão de pares de elétrons;

    Materiais

    • Balões coloridos
    • Fita adesiva
    • Caneta esferográfica colorida
    • Tabela Periódica

    Procedimentos

    • Primeiramente, escolheu-se cinco moléculas onde cada uma dessas moléculas pudesse representar uma geometria molecular diferente.
    • Em seguida, foram selecionadas cores fixas de bexigas para cada elemento utilizado.
    • Logo após, montou-se a fórmula molecular do NH3 (amônia), sendo sua geometria piramidal;
    • Posteriormente, fez-se uma molécula de CS2 (dissulfeto de carbono), com geometria molecular linear;
    • Formou-se então a geometria molecular angular da molécula de H2S (ácido sulfídrico);
    • Foi feita a molécula de CH3Cl (clorofórmio) com geometria tetraédrica;
    • Por fim, foi formada a molécula de BCl3 (tricloreto de Boro) com o intuito de formar sua geometria Trigonal Plana.

    Conclusões

    • Ana Carolina da Silva Oliveira:

    A geometria molecular é responsável pela definição das propriedades da molécula, e tem como base sua estrutura molecular, que pode se encontrar em diversos planos, entre elas podemos citar: a trigonal plana, piramidal, tetraédrica e linear.
    A estrutura da molécula, esta ligada diretamente com a teoria da repulsão dos elétrons da camada de valência, pois a repulsão dos elétrons influencia na localização do átomo na molécula e na distância do ângulo entre esses átomos que sofrem a repulsão.

    • Beatriz Esteves
    Tivemos algumas dificuldades consequentes da fragilidade dos balões que podiam estourar com facilidade, porém com o auxílio da fita adesiva e entrelaçando os nós das pontas foi possível formar as geometrias desejadas, conseguindo, então, visualizar as posições dos átomos em cada molécula diferente.

    • Eloah Drudi
    Com essa atividade pude concluir sobre a geometria molecular e sua variedade. A geometria de uma molécula varia em relação da quantidade de átomos, elétrons livres e do átomo principal.
    Tudo isso acontece devido a teoria de repulsão dos elétrons que diz que os elétrons tentam manter a maior distância possível entre eles.

    • Julia Muniz
    Foi possível entender como os átomos se comportam na formação de moléculas e compreender como as moléculas se posicionam em sua geometria para evitar a repulsão de elétrons afim de ter estabilidade.

    • Larissa Lima
    Foi utilizada a bexiga para demonstração da geometria molecular por conta de sua semelhança e facilidade de uso,porém, pode-se perceber que os ângulos adquiridos não foram corretos, pois a bexiga é um material com grande elasticidade. Mesmo com resultados diferentes do ideal, percebeu-se a diferença da geometria de cada molécula, podendo assim ter maior entendimento da teoria da repulsão dos pares eletrônicos

    • Matheus Freire
    As moléculas se distribuem no espaço de diferentes maneiras, cada uma com a sua forma de acordo com a repulsão dos elétrons na nuvem eletrônica que se forma em volta da molécula, a partir dessa repulsão é determinada a geometria molecular da molécula. Cada qual se ajusta da sua forma e de sua maneira, são cinco tipos diferentes, sendo eles a linear, a angular, a trigonal, a piramidal e a tetraédrica. Os ângulos de cada “abertura” também são determinados. Por este trabalho pode-se observar em escala muito ampliada a geometria de algumas moléculas e ver como são feitas as ligações com o átomo central.
    • Suelen Martins
    Moléculas possuem propriedades específicas que nos permitem definir substâncias, a geometria molecular é uma delas. A partir da geometria é possível identificar o número de ligações dos átomos constituintes da molécula, e assim definir os elementos ali presentes na distribuição espacial. As bexigas foram utilizadas com forma de visualização mais clara para o entendimento dos conceitos de disposição das moléculas e também da teoria de repulsão dos pares eletrônicos.

    • Vitor Geraldi
    Com a construção dos modelos representativos das moléculas foi possível identificar e entender a distribuição dos átomos nas diferentes geometrias e perceber como esta organização mantem cada elétron em uma posição que não permita sua repressão a outros elétrons.

    Curtir

  7. Professor olha, a matéria que eu comentei em sala hoje. Pode excluir o comentário, é só pra poder mostrar. Bom vamos ver se é verídico ou não né.

    http://www.g17.com.br/noticia/ciencia/saturno-passara-raspando-na-terra-e-podera-ser-visto-de-todo-o-brasil.html

    Curtir

  8. gostei. interessante. parabéns prof

    Curtir

  9. paloma gomes lourenço

    Waldomiro Guimarães
    Paloma Gomes Lourenço, 2° A

    O Higgs está envolvido de formas diferentes à massa de determinadas partículas. Por exemplo, o Higgs dá massa diretamente às partículas elementares conhecidas, férmions e bóson, como elétrons, quarks, bóson Z e W, etc.
    O campo elétrico é bem diferente do campo de higgs em muitos aspectos, mas para esse exemplo ele funciona bem.
    Higgs , ele existir de fato no nosso universo, ele pode estar “ligado” ou “desligado”. Detectar um bóson de Higgs confirma a existência do campo de Higgs e mostra que ele está ligado. Usando o elétron como exemplo, se o campo de Higgs não existisse, ele não teria massa. Se o campo de Higgs existisse, mas não estivesse ligado, então sua massa seria menor do que a observada, pois teria origem na força nuclear forte e em pequenas interações entre os elétrons e o campo de Higgs desligado.

    Perguntas e respostas
    Perguntas e respostas
    1) higgs existe?
    Ele existe de fato no nosso universo…

    2)o campo de higgs existe?
    Se o campo de Higgs existisse, mas não estivesse ligado, então sua massa seria menor do que a observada, pois teria origem na força nuclear forte e em pequenas interações entre os elétrons e o campo de Higgs desligado.

    3)quais às particulas elementares conhecidas?
    às partículas elementares conhecidas são: férmions e bóson, como elétrons, quarks, bóson Z e W, etc.

    4)como confirmar a existencia de higgs?
    Usando o elétron como exemplo, se o campo de Higgs não existisse, ele não teria massa.

    5)ele esta “ligado” ou “desligado”? Explique
    Ele esta ligado.
    Detectar um bóson de Higgs confirma a existência do campo de Higgs e mostra que ele está ligado.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: